1 de agosto de 2011

O Perfume - Opinião

Título: O Perfume: História de um Assassino
Autor: Patrick Süskind
Editora: Editorial Presença
Páginas: 276
Sinopse:
"Esta estranha história passa-se no século XVIII e é fruto de um extraordinário trabalho de reconstituição histórica que consegue captar plenamente os ambientes da época tal como as mentalidades. O protagonista é um artesão especializado no ofício de perfumista, e essa arte constitui para ele – nascido no meio dos nauseabundos odores de um mercado de rua – uma alquímica busca do Absoluto. O perfume supremo será para ele uma forma de alcançar o Belo e, nessa demanda nada o detém, nem mesmo os crimes mais hediondos, que fazem dele um ser monstruoso aos nossos olhos. Jean-Baptiste Grenouille possui no entanto uma incorrupta pureza que exerce um forte fascínio sobre o leitor.
O Perfume, publicado em 1985, de um autor então quase desconhecido, foi considerado um dos mais importantes romances da década e nunca mais deixou de ser reeditado desde então, totalizando os 4 milhões de exemplares vendidos, só na Alemanha, e 15 milhões em países estrangeiros. Foi traduzido em 42 línguas. Este fenómeno transformou-o num dos mais importantes livros de culto de sempre. Em 2006, O Perfume passa a ser uma longa-metragem inspirada no romance de Patrick Süskind."

Opinião:

O Perfume relata-nos a história de um homem, Jean-Baptise Grenouille, que tem um olfacto extraordinário: consegue cheirar a mais ínfima fragrância, por mais longe que ela esteja e por mais suave que seja. Por outro lado, também consegue cheirar os odores mais horríveis, mais repugnantes e isso faz com que ele despreze todos os humanos.
Desde o seu nascimento que percebemos a natureza peculiar de Grenouille: desde bebé, até ser adulto, ele reconhece as pessoas através do cheiro. Consegue captar as essências de cada um, de cada coisa, de cada lugar e o seu mundo é governado pelos cheiros. Decide, por isso, que o propósito da sua vida tem a ver com perfumes, nomeadamente o fabrico da essência perfeita.

Quanto a Grenouille, apesar de todos os actos de malvadez que ele comete, não consigo ter uma opinião definida dele. Para mim, é intrigante e não o consigo reduzir ao estatuto de um homem simplesmente cruel. Grenouille sempre foi rejeitado por tudo e por todos, o que o fez criar uma espécie de carapaça de maneira a que nada nem ninguém o atinja verdadeiramente. E isso faz com que ele pareça desprovido de sentimentos e que, em determinados momentos da obra, pareça animalesco no sentido literal da palavra. Mas, mesmo assim, acho que há algo mais para além disso. Acho que a sua personalidade é complexa e não se pode resumir a um ou outro aspecto.

O que me deliciou neste livro, foi a capacidade do autor entrar em tantos pormenores sobre os vários odores que existem. E são estes odores que governam o mundo de Grenouille, que fazem parte do seu íntimo e, por isso, é uma forma de conhecer esta personagem melhor. Além disso, os momentos finais do livro são geniais. Nem sequer tenho palavras para o fim que o autor decidiu dar à sua personagem. É magistral e, apesar de nunca me ter ocorrido aquele final, depois de o ler, penso que não podia ser outro.

Gostei bastante das descrições, da personalidade de Grenouille, dos extremos a que ele foi para conseguir o que queria, a apoteose da sua obra e o seu final inesperado. É um livro que, apesar de relativamente curto, é denso. Tem bastante "sumo", principalmente por causa da habilidade olfactiva de Grenouille. Esta habilidade não é um pormenor, é o centro da narrativa e a razão pela qual Grenouille faz o que faz e é como é.
Mesmo depois de ter acabado de ler o livro, é-me algo difícil escrever sobre ele. É uma história que nos faz sentir emoções contraditórias, a sua história atrai-nos mas, ao mesmo tempo, repugna-nos, e de certeza que aquele Grenouille não me vai sair da cabeça durante algum tempo.

5/6 - Muito Bom

5 comentários:

WhiteLady3 disse...

Já sabia o final antes de ler o livro, a minha mãe adora spoilar-me, mas mesmo assim não deixou de surpreender ainda que preferisse que acabasse um capítulo (salvo erro) antes. Eu até entendo o final mas acho que o grande clímax é a cena anterior. :/

Mas é sem dúvida um livro impressionante e que fica connosco.

Diana disse...

Sim, sem dúvida que o grande momento é o capítulo anterior e fiquei um bocado na expectativa do que é que viria a seguir, porque ainda restavam algumas páginas.
Mas é um final que fica na cabeça...

Maria Pereira disse...

Gostei do filme tb, mas o livro é optimo

Boas leituras

www.pereirasbook.blogspot.com

Eloah disse...

Tantos livros, tão pouco tempo.É verdade.Sou inveterada leitora, mas confesso que ainda não li este livro.Vi na livraria.Depois deste teu Post fiquei curiosa.Vou atrás.Obrigada pela dica.Um forte abraço Eloah

Leitora disse...

Olá Diana
Estou para ler este livro à uma data de tempo, mas tem sido sempre adiado, acabando por ir sempre para o final da pilha. Mas tenho que o ler estou "farta" de ler boas opiniões sobre ele.
Beijinhos.
Boa leitura!