13 de fevereiro de 2017

Assassin's Quest - Opinião

Título: Assassin's Quest (Farseer #3)
Autor: Robin Hobb
Lido no Kobo
Sinopse:

ATENÇÃO: a sinopse e esta opinião podem conter SPOILERS para aqueles que ainda não leram o livro

"King Shrewd is dead at the hands of his son Regal. As is Fitz--or so his enemies and friends believe. But with the help of his allies and his beast magic, he emerges from the grave, deeply scarred in body and soul. The kingdom also teeters toward ruin: Regal has plundered and abandoned the capital, while the rightful heir, Prince Verity, is lost to his mad quest--perhaps to death. Only Verity's return--or the heir his princess carries--can save the Six Duchies.

But Fitz will not wait. Driven by loss and bitter memories, he undertakes a quest: to kill Regal. The journey casts him into deep waters, as he discovers wild currents of magic within him--currents that will either drown him or make him something more than he was...."

Opinião:

Com o final surpreendente do segundo livro desta trilogia, não havia como não partir para a leitura do terceiro livro. Depois de todo o sofrimento que passa às mãos de Regal, Fitz é dado como morto para o mundo. No entanto, e graças à sua ligação com o lobo Nighteyes, é permitido que ele volte à vida, uma opção tomada pelos seus companheiros Burrich e Chade. Assim, o livro começa com o retorno de Fitz à vida humana, a aprender a deixar os seus comportamentos e instintos animais para trás. Há uma primeira parte dedicada somente a este renascimento e a toda a sua revolta e sofrimento, que vai condicionar tudo o que irá acontecer a seguir. Posteriormente, assistimos às viagens de Fitz e à sua demanda: matar Regal, vingando-se de todo o mal que ele lhe infligiu, mas também pelo facto de ter usurpado o trono, prejudicando todos aqueles que lhe são queridos.

O livro é, então, sobre esta viagem monumental de Fitz, que é uma viagem pelos Seis Ducados, mas é, sobretudo, uma viagem interior, onde ele se descobre a si próprio e onde se vai apercebendo das capacidades que tem, tanto no que diz respeito à Wit como à Skill. Acompanhamos a sua viagem e a de Nighteyes com todos os perigos que espreitam, com todas as dificuldades, todos os medos e todas as incertezas. Confesso que o início do livro deu-me alguns problemas porque é bastante parado. Não há nada, realmente, a acontecer, a não ser a recuperação de Fitz e as viagens que faz até chegar ao seu objectivo inicial: Regal. A narrativa é bastante pormenorizada no que toca às paisagens, às pessoas, às características peculiares de cada lugar e ao que Fitz tem de fazer para sobreviver. No entanto, isto pode cansar um pouco, porque queremos saber rapidamente o que vai acontecer! Mas a escrita da autora é fantástica e enreda-nos completamente naquele mundo. Apesar de querermos a narrativa a andar mais depressa, deixamo-nos ir naquelas palavras que nos apresentam um mundo tão rico e personagens tão boas. 

A história de Fitz é fantástica, cheia de provações, de sofrimento, de histórias por contar, segredos por descobrir, mas também de reencontros com personagens que julgávamos perdidas. A sua história é de aprendizagem, de iniciações, e Hobb faz com que Fitz passe momentos bem complicados e sofridos até ele aprender. O foco de toda a saga é mesmo este: as personagens. Com uma tremenda profundidade emocional, são as personagens que me fizeram ficar agarrada ao livro: os seus diálogos, os seus dilemas, as suas vidas tão peculiares e diferentes, as ligações que se estabelecem entre todos. Adorei, A-DO-REI a ligação de Fitz com o seu lobo e todos os momentos por que passam.

Sem ser o início que é um pouco lento, e embora eu perceba o porquê, não consigo apontar coisas que não tenha gostado. Gostei imenso dos vários reencontros que acontecem, das várias pontas que acabam por se unir e dos mistérios que são revelados. O final pareceu um pouco abrupto, em algumas coisas, mas penso que é o final apropriado para esta história. Adorei aquilo que a autora me fez sentir durante toda a história de Fitz, e a sua jornada será uma de que eu não me vou esquecer tão depressa. É difícil abandoná-lo e ao seu lobo, sei que ambos vão ficar comigo durante muito tempo, e vou ter muitas saudades de todos, especialmente de Fitz, Nighteyes e, claro está, do Bobo.

6/6 - Excelente

27 de janeiro de 2017

Friday Face-Off


Olá a todos!

E aqui está mais um Friday Face-Off, uma rubrica da autoria do blog Books by Proxy e que se dedica a comparar capas de livros. Tem estado um pouco esquecida por aqui, há mais de um mês que ela não aparece, por falta de tempo, mas esta semana lá consegui escrever e organizar este post.

Desta feita escolhi mais uma distopia, Fahrenheit 451 de Ray Bradbury, que já li e adorei. Se quiserem, podem ler a minha opinião aqui. É um livro muito interessante e, apesar de ter sido escrito há mais de 60 anos continua super actual. A sua história apresenta-nos uma sociedade americana situada no futuro, onde os livros são proibidos e há "bombeiros" que queimam os livros que são encontrados. Leiam, que é muito bom!

Mas, a propósito desta rubrica, vamos lá às várias capas do livro:

Primeira edição da americana Ballantine Books (1953)


Edição da espanhola Debolsillo (2011)


Edição comemorativa dos 60 anos da americana Simon & Schuster (2013)


Edição americana da Del Rey (1987)


Edição portuguesa da Europa-América (2003)


Edição da brasileira Globo (2012)


24 de janeiro de 2017

Top Ten Tuesday - Autores Portugueses


Como o Top 10 hoje é um assunto livre, à nossa escolha, decidi dedicá-los a livros de autores portugueses. Da minha parte, e por causa dos meus trabalhos académicos, são autores que tendem a ficar para trás, porque tenho sempre outras coisas mais importantes e pertinentes para ler. No entanto, é algo que gostava de mudar e tenho muita curiosidade para ler livros de autores portugueses, principalmente mais recentes. Acho que é bastante importante apoiarmos a nossa própria cultura e lermos aquilo que se escreve por cá e, por isso, fica aqui a minha lista de 10 livros de autores portugueses que quero ler:


1 - Perguntem a Sarah Gross, de João Pinto Coelho
2 - Flores, de Afonso Cruz
3 - Uma Menina Está Perdida no seu Século à Procura do Pai, de Gonçalo M. Tavares
4 - Os Vampiros, de Filipe Melo
5 - Gramática do Medo, de Maria Manuel Viana e Patrícia Reis


6 - A Gorda, de Isabela Figueiredo
7 - Os Demónios de Álvaro Cobra, de Carlos Campaniço
8 - A Célula Adormecida, de Nuno Nepomuceno
9 - Ensaio sobre a Cegueira, de José Saramago
10 - O Cavalheiro Inglês, Carla M. Soares

(O Top Ten Tuesday é uma rubrica semanal da autoria do blog The Broke and the Bookish)

9 de janeiro de 2017

Royal Assassin - Opinião

Título: Royal Assassin (Farseer Trilogy #2)
Autor: Robin Hobb
Lido no Kobo
Sinopse:
"Young Fitz, the illegitimate son of the noble Prince Chivalry, is ignored by all royalty except the devious King Shrewd, who has had him tutored him in the dark arts of the assassin. He has barely survived his first, soul-shattering mission, and returns to the court where he is thrown headfirst into the tumult of royal life. With the King near death, and Fitz's only ally off on a seemingly hopeless quest, the throne itself is threatened. Meanwhile, the treacherous Red Ship Raiders have renewed their attacks on the Six Duchies, slaughtering the inhabitants of entire seaside towns. In this time of great peril, it soon becomes clear that the fate of the kingdom may rest in Fitz's hands--and his role in its salvation may require the ultimate sacrifice."

Opinião:

Li o primeiro livro desta trilogia o ano passado e, passado relativamente pouco tempo, tive de voltar a ela, para este segundo livro que começa praticamente onde o livro anterior terminou. Assim, continuamos a seguir a história de Fitz, filho bastardo do príncipe com o mesmo nome, que vive no palácio e se torna assassino e espião do rei Shrewd, servindo-o a ele e ao príncipe Verity. 

Neste livro há um sentido de continuidade do anterior, em que alguns aspectos são novamente focados e desenvolvidos, como é o caso dos "forged", ou forjados, que são quase uma espécie de zombies, uma vez que são pessoas reduzidas aos seus instintos mais básicos, sem alma ou consciência. Como isto é feito ninguém sabe, mas é fruto das  constantes invasões dos Outislanders, ou aqueles que vêm das ilhas, fora do continente dos Seis Ducados, que em vez de matarem os habitantes do continente infligem-lhes esta espécie de maldição. Isto é consequência dos vários ataques dos Navios Vermelhos que acabam por destruir várias localidades, dirigindo vários forjados para a cidade de Buck, ameaçando a corte e a estabilidade do reino.

Para além desta nova ameaça dos Navios Vermelhos, ficamos a saber mais sobre as habilidades de Fitz, nomeadamente a Skill, que lhe permite comunicar telepaticamente com humanos, mas também a Wit, que permite fazer a mesma coisa, mas com animais. Nesse aspecto, ficamos a conhecer um lobo que passa a ter uma ligação fortíssima com Fitz, Nighteyes. Gostei muito da dinâmica entre ambos e do laço que estabelecem. Para além disto, continuamos com todas as intrigas da corte, com novos sentimentos de Fitz para com Molly, uma amiga de infância que passa a significar algo mais para ele, e com personagens tão boas como o Bobo, Burrich, Chade e Verity.

Confesso que gostei imenso deste volume. A escrita de Robin Hobb é fantástica, faz-nos sentir envolvidos na história, e as personagens são, mais uma vez, o forte do livro. Em termos de acção confesso que o ritmo é mais lento, focando-se, precisamente, nas personagens e nas ligações entre elas, tendo Fitz como fio condutor. Não é um livro com muitas batalhas, com muitas cenas de acção, com muitos momentos intensos e emocionantes. É mais uma história sobre as personagens, que são tão bem construídas e desenvolvidas, num clima tenso, onde nem sempre aquilo que parece é. 

Sei que muita gente tem um problema com Fitz, mas confesso que eu gosto bastante dele. É um miúdo que se está a tornar homem, que carrega o peso do mundo em cima dele, de cujas decisões e actos depende o reino num período muito instável e de muitas suspeições. Gostei bastante de Verity e da relação que é criada e desenvolvida com Fitz, mas também adorei voltar ao Bobo e a Burrich. O Bobo é o maior mistério destes livros, ainda que algumas coisas tenham sido desveladas - só que por cada coisa que é revelada, mais dez adensam o mistério! Por outro lado, Burrich é aquele que mantém Fitz com os pés assentes na terra, é um homem mais pragmático e com muita experiência de vida que acaba por guiá-lo também. O final do livro é qualquer coisa de especial, tão bem escrito, e completamente inesperado. Estou muito curiosa para ver o que se seguirá, e acho que é o livro que vou ler já de seguida!

5/6 - Muito Bom

2 de janeiro de 2017

Bout of Books 18 - Goals and Progress


As usual, this post contains my goals for this Bout of Books as well as my progress throughout the week.

My Goals

  • To read every day for an hour, at least
  • To finish Royal Assassin, by Robin Hobb


My Progress

Monday (Day 1)

Time devoted to reading: 30 minutes
Number of pages I've read today: 15 pages of Royal Assassin, by Robin Hobb
Total number of pages read so far: 15 pages
Notes: I didn't read as much as I wanted to, but it was the first day I started to work again on my academic stuff. Hopefully, tomorrow will be better.

Tuesday (Day 2)

Time devoted to reading: 2 hours and 15 minutes
Number of pages I've read today: 42 pages of Royal Assassin, by Robin Hobb
Total number of pages read so far: 57 pages
Notes: Today was a really good day. I managed to read quite a lot, taking into account my life lately. I was really happy with myself because if I keep up like this I will be able to finish the book by the end of the week!

Wednesday (Day 3)

Time devoted to reading: 2 hours
Number of pages I've read today: 44 pages of Royal Assassin, by Robin Hobb
Total number of pages read so far: 101 pages
Notes: I am liking that I am managing to keep up with this reading rythm. I am loving this book and it is really hard to put it down! If I didn't have to get up early in the morning, I am sure that I would be up all night until I finish it.

Thursday (Day 4)

Time devoted to reading: 1 hour and 15 minutes
Number of pages I've read today: 24 pages of Royal Assassin, by Robin Hobb
Total number of pages read so far: 125 pages
Notes: I didn't read as much as in the other days because I felt a little bit sick and I couldn't find the concentration to read. Nevertheless, I managed to read a bit more than an hour, and I'm happy with it.

Friday (Day 5)

Time devoted to reading: 2 hours and 10 minutes 
Number of pages I've read today: 40 pages of Royal Assassin, by Robin Hobb
Total number of pages read so far: 165 pages
Notes: Even though I read a bit more that 2 hours, today was a hard day, so I didn't find the emotional strength to read more. However, I managed to keep up with my reading pace, so I guess it was not all bad.

Saturday (Day 6)

Time devoted to reading: 1 hour
Number of pages I've read today: 21 pages of Royal Assassin, by Robin Hobb
Total number of pages read so far: 186 pages
Notes: Although it was saturday, I managed to read just a little. I decided that I would plan some classes and then I would read, but instead of reading I was caught up on the internet! Shame on me... But I still managed to read for one hour, and I hope I can finish the book on sunday.

Sunday (Day 7)

Time devoted to reading: 3 hours and 30 minutes
Number of pages I've read today: 76 pages of Royal Assassin, by Robin Hobb, which I finished
Total number of pages read so far: 262
Notes: Today was an awesome day! Even though I had some chores to do, I decided to devote the late afternoon and evening to finish my book, and I did it!

WRAP-UP

As usual, I loved to participate in one more Bout of Books. I feel like it gives me a (sometimes) most needed push to be more focused on my reading. And beginning the year with one read-a-thon always makes me feel good, and motivates me to keep up with the reading routine established throughout the week.

Looking at my goals, I was able to achieve them! I read every day, for an hour or more, with the exception of the first day, and I finished Royal Assassin by Robin Hobb, a fantastic book which I loved. I am really happy with this and it only proves that if I really commit to it, I can read more than what I have been used to lately. All in all, it was a great week! Here are the stats:

Total time devoted to reading: 12 hours and 40 minutes. Wow!! That is awesome for me. I am really proud of myself.
Total pages read: 262 pages. I haven't read this many pages in a week I don't know for how long...

1 de janeiro de 2017

Bout of Books 18 - Sign-Up


This post will be in English and in Portuguese

Here we are for the first 2017 challenge! Which means that I am here to sign-up for another Bout of Books read-a-thon, happening from January 2nd to January 8th. Here is the blurb:

The Bout of Books read-a-thon is organized by Amanda Shofner and Kelly @ Reading the Paranormal. It is a week long read-a-thon that begins 12:01am Monday, January 2nd and runs through Sunday, January 8th in whatever time zone you are in. Bout of Books is low-pressure. There are challenges, giveaways, and a grand prize, but all of these are completely optional. For all Bout of Books 18 information and updates, be sure to visit the Bout of Books blog. - From the Bout of Books team
                                                                                 ***

E aqui estamos para o primeiro desafio de 2017! O que significa que aqui estou eu a participar em mais uma Bout of Books, uma maratona literária que irá acontecer de 2 de Janeiro até 8 de Janeiro. As regras estão ali em cima, como de costume.

Leituras de 2017

Como já é hábito, aqui fica o post onde vou registando as minhas leituras de 2017.

Janeiro

1. Royal Assassin - Robin Hobb (5/6 - Muito Bom)

Fevereiro

2. Assassin's Quest - Robin Hobb (6/6 - Excelente)