12 de novembro de 2011

Balanço da leitura da série Harry Potter


Depois de terminar a leitura dos livros da série Harry Potter, achei que devia fazer um pequeno balanço e falar um pouco do que esta leitura foi para mim e das coisas que mais gostei. Primeiro, li-o no contexto de uma leitura conjunta (que entretanto acabou por ficar um pouco desconjunturada...) com outras meninas dos meandros das internets. Embora não andássemos todas ao mesmo ritmo, acabou por ser divertido porque eu, como única novata, ia sempre comentando com elas as coisas que iam acontecendo nos livros e que, de uma maneira ou de outra, me espantavam.

Passando ao que interessa: os livros. Durante muito tempo recusei-me a ler os livros e, até, a ver os filmes do Harry Potter. Talvez porque eu sempre fui um bocado contra modas. Até posso ler os livros ou ver os filmes noutra altura, mas na altura do "hype", recuso-me. Aconteceu-me isso com os filmes do Senhor dos Anéis e com os livros do Dan Brown, por exemplo. Só que este verão fiquei curiosa em relação aos livros e, como tenho amigas que leram, decidi que já era altura. Assim, parti para esta leitura sem qualquer "spoiler", sem qualquer noção do que era aquele mundo e de quem eram aquelas personagens, já que sempre me mantive afastada de tudo o que dizia respeito ao Harry Potter. Mesmo durante a leitura, sempre consegui evitar imagens, frases, tudo o que me pudesse revelar fosse o que fosse da narrativa.

As personagens: Este é o ponto mais forte de toda a série. As personagens principais, Harry, Hermione e Ron formam um trio de amigos com laços muito fortes. Cada um com personalidades diferentes, muito marcadas, dão o seu contributo para a história e para o desenrolar das aventuras em que se envolvem. Gostei de os ver crescer ao longo dos sete livros, ver as mudanças por que passaram, a maturidade que atingiram com tudo o que isso implica. De miúdos de 11 anos curiosos, exploradores, passando por adolescentes com as hormonas aos saltos, implicantes e até inseguros, ao início da idade adulta, mais maduros e conscientes de si próprios, com os laços mais fortes e sentimentos mais sólidos. Enquanto leitora, senti mesmo que vi este trio crescer, que os acompanhei nos momentos mais importantes, mais difíceis, mais cruciais das suas vidas.

Para além destes três, há todo um leque de personagens secundárias importantes e que sobressaem na narrativa, tornando-se quase tão importantes como as principais. Dos professores destaco: o Professor Dumbledore, pela sua sabedoria; o Hagrid, pelo contraste entre aquele ser enorme que ele era mas ingénuo demais e tão sentimental; o Lupin, um dos meus preferidos pela sua simpatia e lealdade à Ordem e a Harry; McGonagall porque, apesar de rígida nas suas aulas, tinha um coração doce e protegeu Harry e os seus amigos até ao fim; e o Professor Snape. Deste último nem tenho palavras! Foi uma personagem que me intrigou desde o início até ao último livro, revelando-se verdadeiramente nos momentos finais. Decididamente a minha personagem secundária preferida no livro, pelo seu mistério em toda a saga e pelas revelações derradeiras.
Tirando os professores tenho um carinho especial por toda a família Weasley (quem não gostaria de fazer parte dela?), por Luna Lovegood, Neville Longbottom e por Dobby, o elfo.

O mundo de Hogwarts: Neste aspecto, o primeiro livro foi o meu preferido, porque é aí que tomamos contacto com todo este mundo de magia e feiticeiros. Lembro-me perfeitamente de estar a ler as descrições de Diagon-Alley e de Hogwarts, completamente deslumbrada e vidrada nas páginas, imaginando na minha cabeça tudo aquilo e desejando estar lá para presenciar tudo! Nesse aspecto, sentimo-nos como o Harry que vê aquilo tudo pela primeira vez também. Mas descobrimos coisas novas em praticamente todos os livros. Desde novos feitiços, novos espaços mágicos, novas personagens que sabem coisas diferentes, tudo evoluindo para um tom mais sombrio à medida que o poder de Voldemort aumenta e tudo caminha para o grande confronto entre Harry e o "Dark Lord". Neste aspecto, gostei do crescente tom sombrio que vai rodeando o ambiente em Hogwarts. É apropriado porque cresce o clima de medo, de insegurança e desconfiança entre todos enquanto Voldemort se torna mais forte e vai tendo cada vez mais seguidores. Posso dizer que eu própria queria ir para Hogwarts, tal foi o fascínio que me causou.

A escrita de J. K. Rowling: Uma escrita fluida, muito clara e imaginativa. Rowling descreve todos os espaços de uma maneira que parecem tangíveis e sempre que os visitamos já temos uma imagem formada na nossa cabeça. A autora leva-nos a este mundo diferente e fantástico que descreve com grande exactidão, como se ele existisse de facto (e dentro da nossa cabeça, às tantas, existe mesmo!), dá-nos a conhecer personagens cativantes, carismáticas, umas fáceis de gostar, outras fáceis de detestar. E depois há o Snape, que eu acho que está numa categoria à parte (eu? obcecada? que ideia...). Por isso, elogio a autora pela criação de todas estas personagens, de todo este mundo e pela facilidade com que ela nos deixa agarrada aos livros com a sua escrita. É fácil gostar, é fácil imaginar, tudo é apelativo e, por isso, é que estes livros tiveram tanto êxito. Para além disso, toda a narrativa está muito bem construída, muito coesa. Não deixa pontas soltas e vai alimentando a nossa curiosidade livro a livro, mantendo-nos quase enfeitiçados (já que falamos de magia...) no enredo que se vai adensando.

Os filmes: À medida que ia terminando os livros, ia também vendo os filmes. E, confesso, que gostei bastante, especialmente das duas partes do Deathly Hallows. Claro que há elementos que não são incluidos, coisas que não são contadas, deixadas de parte, mas num filme é impossível conter todos os elementos dos livros. Mesmo assim, gostei bastante e do que gostei mais foi da passagem dos momentos de mais acção, que só dá para imaginar na nossa cabeça, enquanto lemos, para a tela. Nesse aspecto os meus olhos ficaram vidrados nos aspectos visuais que o livro nos descreve: o castelo, os corredores de Hogwarts, Diagon-Alley, as lojas, as batalhas, a floresta. É muito bom ler aquelas descrições e imaginá-las, mas quando passadas para o cinema transportam-nos verdadeiramente para lá. Gostei bastante de poder visualizar tudo aquilo que imaginava nos livros e, na minha opinião, está um trabalho muito bem feito. Quanto à passagem das personagens para o ecrã, não podia estar mais contente. Todos os actores fizeram um trabalho excelente ao interpretar cada uma delas. E não, não vou falar do Alan Rickman como Snape, senão nunca mais saía daqui...

Concluindo, depois deste longo post, posso dizer que a saga Harry Potter, que me demorou tanto tempo para começar a ler, figura entre os meus livros preferidos. Dos sete qual foi o meu preferido? O primeiro e o último. O primeiro por toda aquela introdução a um mundo novo e a personagens novas. O último por ser o fechar de um ciclo, por ser onde tudo fica a descoberto e por suscitar tantas emoções no leitor que se torna impossível contermo-nos. Pelo menos foi assim comigo. Do trio de amigos, não consigo escolher um preferido. Gosto de Harry, Hermione e Ron por razões diferentes e consigo identificar-me com todos por razões diferentes. Das personagens secundárias, Severus Snape, definitivamente. Por tudo. Pela sua postura, pelas suas acções, pelo seu carisma, pelo seu ar misterioso e pelas revelações finais.

E é por tudo isto que vou sentir falta de todos eles e de Hogwarts. É todo um mundo ao qual nos apegamos que depois, quando acabamos os livros, sentimos que nos vai faltar qualquer coisa daqui para a frente. Fazem-nos falta. Mas também enriquecemos por dentro, ao entrarmos nas suas vidas e por nos ter sido permitido caminhar ao seu lado ao longo de todas as suas aventuras.
Potterhead? Yes, I am.

3 comentários:

WhiteLady3 disse...

Belíssimo texto e junto-me no fascínio pelo Snape. :D Foi giro acompanhar a tua leitura e posso dizer que o sentimento de fascínio com o mundo criado pela J.K nunca esmorece. Sempre que leio sobre a Diagon-Alley e Hogwarts, sobretudo no primeiro livro, fico sempre maravilhada como se fosse a primeira vez. :)

Diana Marques disse...

Obrigado :) O Snape foi mesmo a personagem que mais me fascinou. E depois aquele final! Acho que vou ficar obcecada com ele durante algum tempo :P

tonsdeazul disse...

Uma saga que também fez parte das minhas leituras e que me fascinou bastante. Lembro-me que não gostei muito do penúltimo e o último foi muito bom, com um final surpreendente. O Snape sem dúvida um personagem marcante, mesmo até nos filmes, foi muito bem interpretada por Alan Rickman. Apesar de não ter ficado fã dos filmes. Tanto que vi o primeiro, que não me fascinou e depois só voltei a ver o último.
Harry Potter é um mundo de magia que vale a pena ler!