22 de agosto de 2012

Persuasion - Opinião

Título: Persuasion
Autor: Jane Austen
Editora: Wordsworth Classics
Páginas: 224
Sinopse:
"What does persuasion mean - a firm belief, or the action of persuading someone to think someting else? Anne Elliot is one of Austen's quietest heroines, but also one of the strongest and the most open to change. She lives at the time of the Napoleonic wars, a time of accident, adventure, the making of new fortunes and alliances.
A woman of no importance, she manoeuvres in her restricted circumstances as her long-time love Captain Wentworth did in the wars. Even though she is nearly thirty, well past the sell-by bloom of youth, Austen makes her win out for herself and for others like herself, in a regenerated society."

Opinião:

Depois de acabado este livro, posso afirmar: Jane Austen não é para mim. Antes deste li o Pride and Prejudice que até gostei, embora não tivesse achado nada de especial. Como me falaram no Persuasion, resolvi comprar e ver o que a autora me poderia oferecer mais. Pois bem, não me podia oferecer nada. Mas vamos por partes.

Em Persuasion, Jane Austen dá-nos a conhecer a sociedade em que ela própria vivia, satirizando-a à medida que se desenrola o enredo com as personagens principais. Mais uma vez, vemos aqui a crítica àqueles que dão demasiada importância às aparências: quer aparência física quer aparência social. Todos querem ser mais e melhores do que o vizinho do lado e isso dá azo a algumas situações caricatas por parte de algumas personagens que, por vezes, chegam a atingir o ridículo. Contudo, não consegui apreciar tanto este romance. É esta descrição do dia-a-dia em pormenor, das regras, dos valores invertidos da sociedade que Austen caracteriza que acabava por ser demasiado exaustiva, dando pouco ênfase a Anne Elliot, a heroína da história, e a Frederick Wentworth o seu amor de há tantos anos.

De facto, Anne é uma mulher já de 27 anos, considerada velha para casar e muito longe do auge da sua beleza, bastante discreta e reservada. Talvez por isto não se veja muito de Anne e ela esteja em maior destaque quando Frederick se encontra no mesmo espaço que ela. Mas o que me aborreceu também, foi eu sentir que as personagens não têm muita profundidade. Não sei... Este livro aborreceu-me no seu todo, considerei até desistir da sua leitura. Não consegui sentir a intensidade do amor entre Anne e Frederick e tanta descrição do quotidiano fazia com que eu desesperasse por alguma acção concreta. Além disso, penso que Austen usa demasiado o discurso indirecto, o que acaba por retirar a emoção de alguns momentos. Não quer dizer que o livro seja mau. Simplesmente não é para mim.

Depois deste livro, penso que será muito difícil eu voltar a pegar em mais alguma obra de Jane Austen outra vez.

2/6 - Razoável

P.S. - WhiteLady3, a carta é bem bonita! Mas não consegue salvar o livro completamente...

10 comentários:

slayra disse...

Admiro a tua paciência, por leres o livro todo. :)

Alguns dos romances da autora estão mais bem conseguidos do que outros. Apesar de gostar imenso de todos, concordo que por vezes há um desequilíbrio entre a sátira social e o romance.

WhiteLady3 disse...

Oh! :( Tenho tanta pena que não tenhas gostado. Sim, o discurso indirecto tira emoção e dá a ideia de que o leitor acaba por ser espectador de tudo o que se desenrola à sua volta. Há poucos diálogos e os que há dá ideia de que estamos a ouvir conversas que não nos dizem respeito. Acho que acaba por retratar a autora, devia ser alguém que se sentava, punha-se a observar e analisar tudo o que via sem, no entanto, ter um papel muito activo em sociedade. Mas posso estar completamente enganada.

E gosto bastante da descrição do quotidiano. O dia-a-dia, as regras, os valores, foram o que me fez ir para História e não tanto os grandes acontecimentos. Como é que se deslocavam, o que faziam nas horas livres, o que raio faziam se viviam de rendimentos e não trabalhavam é o que me fascina e Austen é exemplar no retrato de tais coisas.

Os amores também nunca são muito intensos, e neste romance ainda menos. As personagens são bastante mais racionais, não agem tanto por impulso, mas há certos detalhes que fazem entrever o grande amor que os une. Nem sempre é necessário grandes gestos. Gosto desse tipo de amor. *suspira* E a carta! Oh a carta! Coisa mai'linda! Ainda bem que gostaste dela! :D

Naiana P. de Freitas disse...

Olá,
Tenho outra opinião sobre o livro..a literatura é um bom espaço para a discussão...Quanto a Anne Eliot senti uma profunda simpatia. Identifiquei-me com ela, seja por sua faixa etária, seja pelas suas inadaptações naquela sociedade que vivia. Jane Austen, através da personagem, desenvolve bons argumentos sobre a condição da mulher em sua época. Questionamentos que, seriam discutidos posteriormente pelo feminismo.
abraços,

Diana Marques disse...

Slayra e WhiteLady: Ainda bem que não sou a única a ter estas ideias! Apesar de não ter gostado muito do livro, ainda bem que não sou a única a reparar nesses pormenores.

Naiana: Olá! Eu gosto de livros que promovem esse tipo de discussões e já li livros assim de que gostei. Só achei que o amor entre Anne e Frederick, que supostamente seria a narrativa principal, acabou por estar um pouco em pano de fundo em alguns momentos da história. Fiquei com a impressão de que o livro é um retrato do dia-a-dia daquelas pessoas, inseridas naquela sociedade, com o amor de um casal em segundo plano. Foi isso que me desiludiu...

WhiteLady3 disse...

Apesar de gostar bastante da Austen, ela tem alguns defeitos. :P O Ema, por exemplo, não gostei nada e acho a coisa mais aborrecida deste mundo. :/

Diana Marques disse...

Pois, olha já nem me aventuro nesse então. Nesse e em mais nenhum, penso eu de que... :P

slayra disse...

Lol, espero que o facto de gostar de um livro nunca me torne cega aos seus defeitos ("deiam-me" um estalo se tal acontecer). Dá-me a ideia de que a autora escreve aquilo tudo com o objectivo principal de criticar a sociedade e o romance é secundário.

Se te sentires com coragem um dia destes experimenta o Northanger Abbey. Eu fartei-me de rir com a heroína. Mas realmente o romance é bastante... "realista", lol. O mais intenso é mesmo o do Orgulho e Preconceito, na minha opinião. :)

Diana Marques disse...

Pois, do Orgulho e Preconceito até gostei. O Northanger Abbey vou deixá-lo assim lá mais para a frente... um dia... quiçá! xD

Liliana Lavado disse...

Pessoalmente gosto muito das histórias do universo Austen, mas tenho de confessar que da última vez em que reli o "Orgulho e Preconceito" tive algumas dificuldades em ultrapassar a "lentidão" da escrita.

Ẽ tudo uma questão de gostos e do momento em que se lê… a sorte é que o que não faltam são mais clássicos para descobrir :)

Diana Marques disse...

Liliana: pois, é essa "lentidão" que referes que me fez querer desistir da leitura em alguns momentos. Parece que as coisas nunca mais avançam e às tantas torna-se aborrecido.

Mas, como dizes também, é uma questão de gostos e não faltam livros bons para se ler! :)