19 de setembro de 2012

American Psycho - Opinião

Título: American Psycho
Autor: Bret Easton Ellis
Editora: Picador
Páginas: 399
Sinopse:
"Patrick Bateman is twenty-six and works on Wall Street; he is handsome, sophisticated, charming and intelligent. He is also a psycopath. American Psycho is a bleak, bitter, black comedy about a world we all recognize but do not wish to face and it takes us on a head-on collision with America's greatest dream - and its worst nightmare."

Opinião:

O que me levou a este livro foi uma lista com que me deparei há uns tempos e que também divulguei aqui, em que constavam os 10 Livros Mais Perturbadores de Sempre. Um dos livros que constava nessa lista era, precisamente, este American Psycho do qual eu já tinha uma leve noção porque há uns anos vi o filme. Mas, como não me lembrava de muitos pormenores, achei que devia dar uma oportunidade e lancei-me nesta leitura.

O livro é narrado na primeira pessoa, por Patrick Bateman o protagonista da obra. Patrick tem 26 anos, um jovem muito bem sucedido na sua carreira em Wall Street, cheio de dinheiro e que, por isso, leva uma vida extravagante sem se preocupar com custos. É também um jovem sem escrúpulos, preocupado excessivamente com a sua aparência, tal como todos os seus amigos e colegas, e com uns fuzíveis a menos no cérebro. Patrick é um psicopata, anti-social e que alivia as suas tensões e frustrações, com sadismo à mistura, matando pessoas.

Sendo uma obra narrada na primeira pessoa, podemos perceber o que vai na cabeça de Patrick e digo-vos: aquela cabeça é, ao mesmo tempo, inteligente e perturbada. Bateman é extremamente narcisista mas também repara em todos os pormenores daqueles que o rodeiam: desde o bronze, ao cabelo, à manicure, à definição dos bíceps e dos abdominais, à marca das roupas e do calçado de toda a gente (há verdadeiras descrições em que se sabe quais os materiais e as marcas das camisas, calças, gravatas, sapatos, saias, casacos, malas, etc), aos seus próprios rituais de higiene e beleza que repete todos os dias, pela manhã. Vemos também o seu estilo de vida: trabalhar num escritório em Wall Street em que não faz muita coisa, sair para jantar com amigos/colegas (nunca ninguém sabe muito bem quem é quem) em restaurantes caros, e sair à noite onde se cometem excessos de álcool e drogas. Mas, apesar de tudo, Patrick parece manter a sua psicopatia sob controlo e integra-se no grupo.

Só que, com o passar do tempo, Patrick deixa de conseguir controlar os seus acessos e começa a ficar paranóico, até histérico, tendo alucinações e pensamentos cada vez mais tortuosos em relação às pessoas que estão à sua volta. Os seus actos começam a ser mais sádicos, mais violentos, recorrendo a cenas de tortura, violação, canibalismo e por aí fora. Mais não digo, para não estragar surpresas...

O livro é perturbador pela descrição de algumas cenas de teor mais violento e gráfico e, como tudo nos é descrito na primeira pessoa, temos acesso aos sentimentos de Patrick nesses momentos, o que torna tudo ainda mais inquietante. Mas eu gostei. A escrita do autor é qualquer coisa do outro mundo. Conjuga-se na perfeição com o mundo em que Bateman vive e dá ao leitor a possibilidade de presenciar a vida sob a perspectiva de alguém profundamente desequilibrado. Além disso, somos brindados com momentos irónicos e sarcásticos o que, para mim, é sempre um ponto a favor, quando as coisas são bem feitas para além do humor negro que permeia todo o livro e é uma constante. Bateman tem momentos completamente alucinados, irreais e, por isso, Bateman não é um narrador assim tão fiável e há momentos em que não sabemos se o que nos está a ser descrito é real ou se é fruto da sua imaginação.

Posto isto, o veredicto final é de que este livro é bastante interessante, faz-nos pensar que, apesar das aparências, das pessoas serem ricas, bonitas, inteligentes, nada impede que, por detrás dessas máscaras, existam mentes perversas. O livro é fácil de ler, apesar de ter algumas partes difíceis de digerir. Não é um livro negro que explora ou tenta explicar o que vai na mente deste psicopata e eu gostei imenso pela parte do humor negro, da sátira. Mas eu sou daquelas pessoas que se entusiasmam quando matam pessoas à machadada e há sangue a jorrar por todo o lado, enquanto alguém berra e dança como se nada fosse. E quando imagino o Christian Bale como Patrick Bateman, a coisa ganha toda uma outra dimensão. E vai daí, se calhar também tenho uns fuzíveis queimados...

5/6 - Muito Bom

6 comentários:

WhiteLady3 disse...

Quero tanto ler este livro! Eu adorei o filme e ficou-me a imagem de ele a falar de música e a dançar ridiculamente, enquanto prepara o quarto para matar a personagem do Jared Leto. Achei tão fenomenal tudo isso. Sim, os meus fuzíveis também não devem estar muito melhores. :D

Diana Marques disse...

Sim, também há alguns capítulos em que ele só fala de música, lemrbo-me agora dele falar dos Genesis e da Whitney Houston. Mas exaustivamente, aquilo parece que estás a ler um artigo de uma revista sobre a carreira de cada um.

O livro é mais gráfico e mais violento que o filme, até porque não imagino como passariam algumas coisas para o filme. O filme ganharia um tom mais "gore" e a parte do humor negro e da inteligência do Bateman perderiam-se.

Já agora: Bat(e)man, Christian Bale... xD

WhiteLady3 disse...

"O livro é mais gráfico e mais violento que o filme,"
Ai mulher que isso é música para os meus ouvidos. Sim eu tenho um problema...

"Já agora: Bat(e)man, Christian Bale..."
#itisfate :D Acho que até tinha tentado o papel de Robin, que depois ficou para o moço do NCIS: LA cujo nome me escapa, mas acharam que não tinha perfil. xD (mas vi no 9gag pelo que pode ser mentira :P )

v_crazy_girl disse...

Não tinha visto ainda essa lista! Eu adoro esse género de livros, livros que perturbam e coisas que considero "terror psicológico" e afins *.*

Tenho que pôr as mãos neste livro!! Ahahahah

bjs*

Diana Marques disse...

WhiteLady3: está visto que temos problemas. é melhor não nos juntarmos muitas vezes xD

v_crazy_girl: apesar de ter momentos violentos, este livro não é terror psicológico, nem nada do género. é uma sátira, uma "comédia negra" com cenas mais gráficas e brutais.

navirj disse...

Eu assisti ao filme há muito tempo, não me lembro muito bem, mas o livro parece muito interessante.
Goste do seu blog.
Beijo. Nadia

http://navirj.blogspot.com.br/