9 de fevereiro de 2014

Life of Pi - Opinião

Título: Life of Pi
Autor: Yann Martel
Lido no Kobo
Sinopse (do Goodreads):
"After the tragic sinking of a cargo ship, a solitary lifeboat remains bobbing on the wild blue Pacific. The only survivors are Pi, a 16-year-old boy, a spotted hyena, a zebra with a broken leg, a female orangutan and a 450-pound Royal Bengal Tiger. As the 'crew' begin to grow restless and assert their natural place in the food chain, Pi's fear mounts and he must use his wit, knowledge and faith to survive against all odds.

Life Of Pi is a real treat for the imagination, an astonishing novel that will delight and stun readers in equal measures."

Opinião:

Tenho este livro para ler desde que saiu o filme. Como ainda não tinha visto o filme, fui adiando a sua leitura. Adiando, adiando... Até que me decidi, finalmente a lê-lo! Tinha muita curiosidade em relação à história, porque sabia qual era o mote principal e, por isso, parti para a sua leitura.

Pi é um miúdo indiano que vive em Pondicherry, na Índia, e a sua infância é passada em convivência com animais selvagens em cativeiro, uma vez que o seu pai é dono do Zoológico de Pondicherry. A primeira parte deste livro é, então, a descrição da infância de Pi. O que eu mais gostei desta parte foram as referências religiosas. Pi é hindu mas, a certa altura, tem uma curiosidade sobre outras religiões, nomeadamente o Cristianismo e o Islamismo, e começa a professar as três religiões, sem ninguém saber. É claro que, para os líderes religiosos de Pondicherry, as três religiões são incompatíveis e as discussões sobre as diferenças e semelhanças entre as três, são deliciosas. Nesta parte percebemos também que Pi é um miúdo que se destaca dos restantes pela sua sensibilidade apurada em relação aos animais e às pessoas. 

Contudo, Pi, os seus pais e irmãos têm que sair da Índia e vão viver para o Canadá, levando alguns animais do zoo com eles no navio em que viajam. Mas eis que o navio se afunda e Pi vê-se num barco salva-vidas com alguns animais selvagens, entre eles um tigre de bengala, que se torna seu companheiro durante o tempo em que está no mar. Durante este tempo vemos como o instinto de sobrevivência fala mais alto e o quanto tanto Pi como os animais sofrem. Há descrições verdadeiramente dolorosas e impressionantes, mas isso só acrescenta realismo a toda a situação.

Destaco a escrita do autor que, apesar de algumas partes mais aborrecidas, nos mantém interessados na vida e na personagem de Pi. Afinal, há um limite de coisas novas para se contar, quando se passam meses no mar, sozinho, a tentar sobreviver. Além disso, o autor consegue passar o sofrimento de Pi para o leitor, de tal maneira que quase sentimos o que Pi sente. A pele seca com feridas, a fome, a sede, o desespero de não saber se se vai safar, e o medo de ter um tigre a bordo. Mas, apesar de tudo, Pi sobrevive e mantém uma força de espírito incrível. E depois aquele final. Aquele final vale o livro todo e é absolutamente fantástico.

Este livro é uma verdadeira viagem, tanto para Pi como para o leitor. É uma história de sobrevivência, mas também é uma história sobre a própria existência humana, sobre a verdade, sobre fé e sobre histórias. Sei que ainda só estamos em Fevereiro, mas certamente que este já é um dos meus livros favoritos do ano. O final deixou-me completamente arrebatada e Pi é simplesmente fenomenal.

6/6 - Excelente

2 comentários:

tonsdeazul disse...

Não cheguei a ver o filme, mas vou querer ler este livro. :)

Paula disse...

Li o livro e adorei, vi o filme e também gostei, embora não tanto quanto o livro :)
Abraço