15 de maio de 2014

Crónica de uma Morte Anunciada - Opinião

Título: Crónica de uma Morte Anunciada
Autor: Gabriel García Márquez
Editora: Dom Quixote
Páginas: 132
Sinopse:
"Esta é a história de um assassinato numa pequena localidade colombiana, próxima da costa caribenha, cuja única ligação com o exterior é um rio. Toda a localidade celebra o casamento de Bayardo San Román, rico e recém-chegado, com Angela Vicario. Mas Bayardo descobre que a sua esposa não é virgem devolve-a à casa dos pais. Angela acusa Santiago Nasar, um rico jovem de origem árabe. Obrigados pela defesa da honra familiar, os irmãos de Angela anunciam aos quatro ventos a sua determinação de acabar com a vida de Santiago. Todos os habitantes da localidade conhecem as intenções dos dois irmãos menos o interessado, e ninguem faz ou pode fazer nada para evitar o desenlace trágico... Passados mais de 20 anos, um cronista reconstrói passo a passo os acontecimentos."

Opinião:

Esta foi a minha estreia na obra de Gabriel García Márquez. É um livro curto, que se lê num instante e que nos conta a história da morte de Santiago Nasar. Em termos de enredo, o final é-nos logo anunciado. O que o narrador vai contando é o processo até se chegar à morte de Santiago, quem o matou, porquê e de que maneira aquela vila ficou afectada com tudo aquilo. Acho que o que nos é contado aqui é a inevitabilidade dos acontecimentos. Apesar de toda a gente saber que os irmãos Vicario iam matar Santiago, ninguém conseguiu evitar o acontecimento.

Penso que o ponto forte do livro é mesmo o modo como a história é contada, sob vários pontos de vista, com recurso a analepses que nos vão dando diferentes perspectivas sobre o antes e o depois do assassinato. Pensei que me fosse confundir, porque se isto for mal feito a narrativa pode ser confusa. Mas Gabriel liga tudo muito bem e mesmo quando no parágrafo a seguir muda para algo que aconteceu noutro espaço de tempo, o leitor não se confunde. Outra coisa de que gostei foi do realismo mágico. Confesso que pesquisei um pouco para perceber o que era e se estava presente no livro, e está. A história passa-se numa vila, daquelas típicas em que todos se conhecem e em que há sempre personagens peculiares. E são estas peculiaridades que tornam a história e aquelas pessoas tão especiais. Parece que o sobrenatural se mistura de forma natural com o real e que o primeiro é tão plausível como o segundo. Há sonhos fantásticos que são interpretados e cuja interpretação é considerada certíssima, há premonições levadas a peito, há elementos fantásticos que são considerados normais pelas personagens naquele mundo. E este foi um aspecto que adorei no livro.

Em suma, é um livro curto que se lê muito bem, é envolvente e o ambiente fez-me lembrar algo que poderia perfeitamente acontecer num vilarejo por terras lusas. Provavelmente porque as culturas latinas são tão parecidas, mesmo quando separadas por um oceano. Gostei muito desta minha estreia com García Márquez e quero continuar a ler mais livros dele.

5/6 - Muito Bom

(Esta leitura conta para o desafio Monthly Keyword Challenge)


1 comentário:

helena frontini disse...

Adoro todos os livros dele! Tem um estilo inconfundível.