9 de janeiro de 2015

Stoner - Opinião

Título: Stoner
Autor: John Williams
Editora: Dom Quixote
Páginas: 263
Sinopse:
"O Stoner do título é o protagonista deste romance - um obscuro professor de literatura, que até ao dia da sua morte dá aulas numa universidade do interior. A sua vida, brevemente descrita nos dois primeiros parágrafos do romance, oferece um triste obituário. O que se segue, numa prosa precisa, despojada, quase cruel, é uma sucessão de fracassos de uma personagem que perde quase tudo - menos a entrega incondicional à literatura.
O romance foi publicado em 1965 e caiu no esquecimento - tal como o seu autor, John Williams, também ele um obscuro professor universitário. Passados quase 50 anos, porém, o mesmo cego amor à literatura, que movia a personagem principal, levou a que a escritora francesa Anna Gavalda traduzisse o livro perdido. Outras edições se seguiram, em vários países da Europa. Até que, em 2013, os leitores da livraria britânica Waterstones escolheram Stoner como melhor livro do ano - ignorando obras acabadas de publicar.
Julian Barnes, Ian McEwan, Bret Easton Ellis e muitos outros autores, juntaram-se ao coro e resgataram a obra nas páginas do jornais. Com a aclamação crítica, mais premente se tornou a interrogação: porque é que um romance tão exigente renasce das cinzas e se torna num espontâneo sucesso comercial em diferentes latitudes?
Na era da hipercomunicação, Stoner devolve-nos o sentido de intimidade, deixa-nos a sós com aquele homem tristonho, de vida apagada. Fechamos a porta e partilhamos com ele o empolgamento literário: sabendo, tal como ele, que nos restará sempre o consolo da literatura."

Opinião:

Este Stoner entra devagarinho, despretencioso, simples, mas tocante e verdadeiramente genuíno. Neste livro, que, à primeira vista, não parece ser nada de especial, acompanhamos William Stoner desde a sua vida simples e pobre numa quinta no Missouri, a ajudar os pais na agricultura, passando pela sua transformação quando entra na universidade e ingressa no curso de estudos literários, até ao fim da sua vida, enquanto professor reformado da Universidade de Columbia. Seguimos os seus passos, os seus erros, os momentos cruciais da sua vida, de tristeza, de aparente fracasso e apatia, mas também de paixão, de certezas, de compromisso com o conhecimento. 

Tudo parece ser apenas uma sucessão de acontecimentos na vida de um professor universitário, com uma narrativa sem grandes floreados nem rompantes, com um fio narrativo simples sem grandes complexidades. Mas foi esta simplicidade que me agarrou ao livro e me fez apaixonar por este William Stoner. De certa forma, Stoner disse-me muito por, no início, ter feito a sua formação em literatura inglesa medieval, por ter aspirado a ser professor universitário e, por fim, a sê-lo. Todas as suas inseguranças, medos, o modo de olhar para um universo maior do que ele próprio, fez-me pensar em mim também.

Este é um livro sobre a natureza humana, sobre a descoberta e o gosto pela literatura, sobre a universidade, sobre o amor, a desilusão, e tudo é contado de forma a não parecer sentimental, mas é. Este livro é de uma sensibilidade enorme ao relatar-nos coisas que são, aparentemente, banais. A história vai-se entranhando quase sem darmos por isso. O livro talvez possa parecer um pouco vazio por ser "só" a história de um professor universitário improvável, que vive um casamento frustrado e infeliz, refugiado na sua solidão e nos seus livros, tudo contado num modo um pouco depressivo. Mas é através deste ambiente um pouco negro que se descobrem as luzes bem como as sombras de Stoner e são elas que lhe dão vida e que o tornam tão real.

Não sei, sinceramente, como falar mais deste livro. É um livro simples, que se lê de forma fácil e rápida, que não almeja a muito mas que se vai entranhando até Stoner se tornar, praticamente, um herói. Que sobrevive aos seus erros, à sua inexperiência, à sua tristeza, mas que triunfa naquilo que o faz feliz, nos seus estudos, nos seus livros, na lecionação. Stoner é um homem comum, sem uma vida extraordinária, mas autêntico. Adorei este livro e Stoner tornou-se numa personagem que, dificilmente, vou esquecer.

6/6 - Excelente

(Este livro conta para o Mount TBR Reading Challenge)

4 comentários:

Célia disse...

Está no meu plano de leituras para Janeiro. Espero gostar tanto como tu :)

Diana Marques disse...

Eu gostei muito, mesmo! Vou ficar atenta para saber o que tu achas ;)

Clarinda disse...

Olá
Sou uma seguidora atenta do seu espaço e resolvi divulgar o seu trabalho no meu cantinho.
Espero que seja do seu agrado!

http://lerviverler.blogspot.pt/2015/01/vida-noutro-blog-142.html

WhiteLady3 disse...

Eu sabia que ias gostar! \o/ Continuo a dizer que não gostava de ter a sua vida, pelo menos viver com o ódio que algumas pessoas lhe parecem ter, mas é sem dúvida uma personagem que vai ficar comigo por muito tempo.