Avançar para o conteúdo principal

Alice eu fui - Opinião

Título: Alice eu fui
Autor: Melanine Benjamin
Editora: Presença
Páginas: 332
Sinopse:
" Alice Eu Fui é uma biografia romanceada de Alice Liddell, a criança que inspirou o grande clássico da literatura infanto-juvenil Alice no País das Maravilhas. É a primeira vez que a história é contada do ponto de vista irreverente da própria Alice - agora uma octogenária que olha em retrospectiva para o seu passado e reflecte sobre a jornada extraordinária que foi a sua vida para além do País das Maravilhas. Com uma intriga bem construída, esta narrativa explora a natureza elusiva e indecifrável do amor e da sexualidade, presentes na psique humana desde a infância e ajuda-nos, através dos factos narrados, a compreender os assombros e os abismos, as passagens para o outro lado do espelho. História de amor e mistério literário, esta obra entretece com brilhantismo factos e ficção para captar o espírito apaixonado de uma mulher verdadeiramente inspiradora."

Opinião:

Este livro é uma biografia romanceada sobre a verdadeira Alice, a do famoso Alice no País das Maravilhas. No final do livro, na nota da autora, ela revela que se sabe algo sobre a vida de Alice Lidell e que foi nisso que ela se baseou para construir a narrativa, acrescentando laivos de imaginação àquilo que não se sabe. Além disso, a história é contada na primeira pessoa, como se fosse a própria Alice a narrar os eventos da sua vida, algo que não seria possível no presente.
Podem ver mais sobre a Alice Lidell aqui.

Num primeiro momento vemos Alice com os seus oitenta anos em Nova Iorque, com um dos seus filhos, Caryl, para ser homenageada com o doutoramento honoris causa, por ser a verdadeira Alice no País das Maravilhas. Contudo, no meio das suas reminiscências passadas, somos transportados às suas memórias de quando era mais nova, até aos seus 7 anos, quando vivia em Oxford com a família. Neste período, que vai dos 7 aos 11 anos de Alice, travamos conhecimento com a sua vida em Oxford, os costumes sociais da sociedade vitoriana (visto que estamos no anos 60 do século XIX), conhecemos a família, as irmãs, a perceptora, e alguns professores de Oxford: Mr. Ruskin, professor de Belas-Artes e Mr. Dodgson, professor de matemática, o verdadeiro escritor de Alice no País das Maravilhas. Alice e Mr. Dodgson adoravam-se um ao outro, ele tirava-lhe muitas fotografias, assim como às irmãs. Contudo a certa altura, esta relação de amizade extrapola os limites do tolerável para a época, até para os dias de hoje. A família Lidell corta relações com Dodgson mas, apesar de podermos desconfiar do que aconteceu, os verdadeiros motivos só nos são esclarecidos no final do livro, quando voltamos à Alice octogenária.

Aqui podemos conhecer a verdadeira Alice: irrequieta, algo rebelde, maria-rapaz, sonhadora, que não quer crescer. Aquela que pede a Mr. Dodgson para lhe escrever a história que lhe contou, numa certa tarde, para que ela nunca tenha que crescer. Simpatizei profundamente com a personagem de Alice, tanto em criança como em adulta. É uma rapariga adorável, sensível, que só quer ser feliz e que, por várias vezes, vê a sua felicidade negada pela própria mãe. Contudo, ela transforma-se numa mulher forte, que acaba por aceitar os costumes e cresce.

Depois da infância, vemos Alice nos seus vinte e poucos anos, em idade casadoira, com uma paixão rompante pelo príncipe Leopoldo, filho da rainha Victoria. Mais uma vez, aqui, vê a sua felicidade negada por duas tragédias que ensombram a sua vida de maneiras diferentes. Mas, mesmo assim, Alice mantém-se de pé, erguida, embora estilhaçada por dentro.

Mais tarde, vemos Alice já casada, com três filhos, todos militares a combater na Primeira Guerra Mundial. Apesar de não ter casado por amor, tem um casamento estável, com um bom homem e do qual gerou três filhos que são a sua alegria mas, também, as suas maiores tristezas, como se revelam quase no fim do livro.
Depois desta viagem pela vida de Alice, voltamos ao momento presente, em 1932, uma Alice solitária, viúva, que já só tem o seu filho Caryl. É nesta altura que se descortina o segredo de infância de Alice que ela tivera recalcado durante toda a sua vida para, agora no final, se relembrar de tudo.

Achei este livro bastante bem construído, adorei lê-lo! A personagem principal, como não podia deixar de ser, é Alice mas vemos sempre o fantasma de Mr. Dodgson, o verdadeiro Lewis Carroll, sempre rondando a vida e alguns momentos em especial da vida de Alice. Quanto a Mr. Dodgson, não sei muito bem o que pensar dele. É um homem sonhador, amoroso até, com uma necessidade grande de amar e ser amado, porém... pelas pessoas erradas. As descrições feitas por Alice são adoráveis e faz-me ter pena de Mr. Dodgson, apesar dele ter feito o que fez. É confuso.
Em relação a Alice, tenho a dizer que esta personagem é apaixonante do primeiro ao último momento! Todas as suas descrições, comportamentos, sentimentos, as emoções à flor da pele, a rebeldia e a necessidade de liberdade, enquanto criança, fez-me ficar presa a Alice. É impossível não nos deixarmos levar pelas emoções que ela nos transmite e até nos revermos em pensamentos seus.
No início fiquei bastante curiosa para ler este livro e as minhas expectativas foram amplamente correspondidas. Adorei o livro do início ao fim, e aconselho a sua leitura a toda a gente!

5/6 - Muito Bom

Comentários

Bia Carvalho disse…
Esse é mais um livro que está na minha lista de desejos!
Adoro a história de Alice no país das maravilhas e achei uma excelente idéia escreverem um livro contando a história da verdadeira inspiração para o conto doidinho que conhecemod desde crianças!

Bjs
tonsdeazul disse…
Gostei especialmente de ler esta tua opinião. Muito elucidativa.
Andava meio reticente com a leitura deste livro como já tinha referido, mas ajudaste a esclarecer algumas das minhas dúvidas. :)
Diana disse…
Obrigado, ainda bem que gostaste =) Espero que, se vieres a ler o livro, gostes tanto dele como eu gostei.
É, de facto, um livro que me vai ficar na memória principalmente pelo facto de Alice ser tão cativante.
Raissa Guida disse…
Esse livro tem o mesmo texto que "Eu sou Alice" de Melanie Benjamin??
Diana disse…
Sim, é o mesmo livro.
cris disse…
coloquei um link deste teu post no meu blog, espero que n te importes.Boas leituras!
Diana disse…
Cris, não há problema :)
Boas leituras!