10 de julho de 2010

Lançamentos da Porto Editora de Setembro a Dezembro

Depois de uma retrospectiva das publicações da Porto Editora nos últimos dois meses, os responsáveis editoriais Cláudia Gomes, Manuel Alberto Valente e João Rodrigues apresentaram as obras a publicar pelas chancelas da Porto Editora no período de Setembro a Dezembro.
A Porto Editora apresentou mais de trinta títulos da área da literatura, distribuídos por quatro chancelas – Porto Editora, Ideias de Ler, Albatroz e Sextante. Aqui ficam elas:

SETEMBRO

Heart of the matter – Emily Giffin (Porto Editora)
Tessa não consegue deixar de pensar em quão frágil é a vida. Como esposa de um reputado cirurgião plástico, ela tem assistido, demasiadas vezes, ao ar triste e sombrio com que Nick regressa a casa depois de uma urgência, percebendo assim que mais uma criança se magoou de forma irremediável e talvez para sempre. De todas as vezes, Tessa pensa nos seus dois filhos e dá graças a Deus por nada lhes acontecer.
Até um dia.
Valerie está sozinha há tempo demais, não cria expectativas e não toma nada por garantido. Um dia, um telefonema faz desabar o seu mundo. Por ser mãe solteira, Charlie é o centro da sua vida, o filho de seis anos que ela tenta proteger acima de tudo. Valerie arrepender-se-á para sempre de uma decisão aparentemente insignificante mas que conduziria a um terrível acidente.
Quando as vidas de duas mulheres tão diferentes se cruzam, elas são forçadas a questionar o que mais amam e enfrentar um futuro que nenhuma delas poderia sequer imaginar.

El tiempo entre costuras – Maria Dueñas (Porto Editora)
"Una máquina de escribir reventó mi destino."
Assim começa a história de Sira Quiroga, uma jovem modista empurrada pelo destino para um arriscado desafio; sem aviso, os pespontos e alinhavos do seu ofício convertem-se na fachada paramissões obscuras que a enleiam num mundo de glamour e paixões, riqueza e miséria, de conspirações históricas e políticas, de espiões.
Num cenário em que a II Guerra Mundial está prestes a rebentar, com a possível alienação dos espanhóis pelos alemães, meio mundo espia outro meio mundo. E também Sira se converterá nos olhos e ouvidos de outros. O seu atelier, onde acorrem todas as alemãs de prestígio, depressa se converterá num ponto nevrálgico do qual resultam importantes informações que podem mesmo chegar a por em risco a vida da jovem modista.
Um romance de ritmo imparável, pontuado de grandes paixões, encontros e desencontros, que nos transporta, em descrições fiéis, pelos cenários de uma Madrid pró-Alemanha, dos enclaves de Tânger e Tetuán e de uma Lisboa cosmopolita repleta de oportunistas e refugiados sem rumo.

The Ice Cream Girls – Dorothy Koomson (Porto Editora)
Durante a adolescência, Poppy Carlisle e Serena Gorringe foram as únicas testemunhas de um trágico acontecimento. Entre aceso debate público, as duas aparentemente glamourosas adolescentes viram-se a braços com os tribunais e foram apelidadas pela imprensa de The Ice Cream Girls.
Anos mais tarde, encontramos as protagonistas com percursos de vida muito diferentes, Poppy está decidida a trazer ao de cima a verdade sobre o que realmente sucedeu, enquanto Serena, esposa e mãe de dois filhos, não pretende que ninguém do seu presente desvende o seu passado. Mas é impossível enterrar alguns segredos – e se o seu for revelado, a vida de ambas voltará a transformar-se num inferno…
Emocionante e enternecedora, esta história dá que pensar. The Ice Cream Girls fará com que o leitor se interrogue se alguma vez poderemos conhecer verdadeiramente aqueles que amamos.

1822 – Laurentino Gomes (Porto Editora)
Quem observasse o Brasil em 1822 teria razões de sobra para duvidar da sua viabilidade como nação independente e soberana. De cada três brasileiros, dois eram escravos, negros forros, mulatos, índios ou mestiços. Era uma população pobre e carente de tudo, que vivia à margem de qualquer oportunidade numa economia agrária e rudimentar, dominada pelo latifúndio e pelo tráfico negreiro. O medo de uma rebelião dos cativos tirava o sono da minoria branca. O analfabetismo era geral. Para piorar a situação, ao voltar para Portugal, no ano anterior, o rei D João VI, deixara os cofres nacionais lisos. O novo país nascia falido. Faltavam dinheiro, soldados, navios, armas ou munições para sustentar uma guerra contra os portugueses, que se prenunciava longa e sangrenta.
As perspectivas de fracasso, portanto, pareciam bem maiores do que as de sucesso. Nesta nova obra, o escritor brasileiro Laurentino Gomes, autor do best-seller 1808, sobre a fuga da família real portuguesa para o Rio de Janeiro, mostra como o Brasil, que tinha tudo para fracassar, consegue sobreviver com êxito em 1822, graças a uma notável combinação de sorte, improviso, acaso e também de sabedoria das lideranças responsáveis pela condução dos destinos do novo país.

Lo splendore de la vitta – Sveva Casati Modignani (Porto Editora)
Giulia de Blasco é uma escritora de sucesso que venceu uma difícil batalha contra o cancro e conquistou o amor do cirurgião Ermes Corsini. Apesar disso, Giulia não consegue encontrar a serenidade que tanto deseja. O seu filho Giorgio, de dezasseis anos, atravessa uma adolescência conturbada e acaba por influenciar negativamente a relação de Giulia e Ermes e levar Giulia a questionar as suas capacidades como mãe. É no meio destas dúvidas e incertezas que surge Franco Vassalli, um enigmático e fascinante empresário, habituado a conseguir tudo o que quer…
Para Giulia começa assim mais um período dramático e intenso da sua vida.

Dez Mil Guitarras – Catherine Clément (Porto Editora)
Marrocos, 1578: dez mil guitarras jazem ao abandono no campo de batalha de Alcácer-Quibir. D. Sebastião desapareceu. Morto ou vivo? Há quem espere por ele…
Ao contar-nos essa espera, Catherine Clément oferece-nos uma truculenta galeria de retratos de uma Europa em mutação: o peso dos Habsburgo, a violência das guerras religiosas, a loucura do imperador da Áustria, a rebelião da jovem rainha Cristina da Suécia e a sua paixão por Descartes. Composto como uma ópera, pleno de fantasia e de verdades pouco conhecidas, o romance dá voz a personagens memoráveis, como esse famoso rinoceronte - que atravessou a Índia a toda a largura e que, depois de ter navegado de Goa para Lisboa, se encontra enjaulado para deleite de soberanos: um jovem rei português, um velho rei de Espanha, um imperador alquimista, uma rainha bárbara.
Catherine Clément retoma em Dez Mil Guitarras a veia romanesca dos seus grandes sucessos: A Senhora, Por Amor da Índia ou A Viagem de Théo.

Angola: a Segunda Revolução – Jardo Muekalia (Sextante)
«Quero partilhar com os leitores desta obra parte da experiência que vivi quando jovem, durante o processo de independência do país, os anos de guerrilha que se seguiram à proclamação da independência, e o processo de negociação que conduziu às primeiras eleições da história de Angola. Esta é, antes de mais, uma narração dos acontecimentos, vistos do meu ponto de vista, como parte de uma geração, na altura adolescente, que se viu arrastada pelo vendaval da revolução, numa corrida imposta por vontades, desacordos e ambições da geração mais velha. (…) Esta obra não pretende ser história absoluta. Ela é, como disse acima, apenas uma narração da minha trajectória na luta pela inclusão democrática, relato de uma vida entregue e moldada pela “revolução”.» Jardo Muekalia, Preâmbulo

O seminarista – Rubem Fonseca (Sextante)
Para o protagonista de O seminarista, matar não causa remorso, mas também não causa prazer. É apenas o seu trabalho, que lhe permite dedicar-se àquilo que realmente ama: livros, filmes e mulheres. Quando decide que já é hora de abandonar a profissão, descobre que não é tão imune aos efeitos dos seus trabalhos e das suas escolhas como acredita ser…

A Cidade do Homem – Amadeu Lopes Sabino (Sextante)
Romance, ficção documentada, relato das errâncias de um narrador europeu do século XXI através do universo mental do iluminismo, A Cidade do Homem é a biografia imaginada de António Dinis da Cruz e Silva (1731-1799), magistrado e poeta árcade que viveu, trabalhou e poetou em Portugal e no Brasil. Participante ativo nas polémicas que, durante o consulado de Pombal, agitaram o Reino e a Europa, foi juiz militar em Elvas e autor de O hissope, sátira à querela protocolar entre o bispo e o deão da Sé da cidade alentejana. Presente desde o início no imaginário do protagonista, o Brasil torna-se o cenário da narrativa com a transferência de Cruz e Silva para a Relação do Rio de Janeiro em 1776. A partir desse ano, servidor da Justiça e de Apolo, julgou e poetou nas capitanias do Sul, sobretudo em comarcas do Rio e de Minas, privando com os juristas e árcades locais.
Em 1792, seria membro do tribunal que julgou e condenou na capital do Brasil os inconfidentes mineiros, entre eles os seus companheiros mais próximos nas lides judiciais e na poesía. Numa digressão através da História e das ideias em busca da polis racional, A Cidade do Homem centra-se na condenação dos conspiradores à morte ou ao degredo, nomeadamente no destino trágico do Tiradentes, herói e ícone da Pátria brasileira, evocando uma época que, na Europa, em Portugal e no Brasil nas vésperas da independência, prenunciou os antagonismos e as hecatombes do nosso tempo.

Adeus, até amanhã – William Maxwell (Sextante)
Numa quinta do Illinois, nos anos 1920, um homem é morto e, ao mesmo tempo, rompe-se a fraca amizade entre dois rapazes solitários. Nunca mais falarão. Uma reconstrução devastadora dos eventos e a expiação do remorso de uma vida inteira são revelados, ao longo de cinquenta anos, nas palavras não ditas do narrador.
A partir das suposições das crianças e das paixões destrutivas dos pais, Maxwell cria aqui um clássico luminoso sobre o amor e a perda.

OUTUBRO

The Fall – Robert Muchamore (Porto Editora)
Uma operação do MI5 corre muito mal quando dois agentes que trabalham com James matam o suspeito principal e James acaba por ficar retido em Aero City, na Rússia. Não consegue contactar o campus da CHERUB e quando tenta fazê-lo, é agredido violentamente por um grupo de russos altamente perigoso. Alguns dias mais tarde, James acorda num hospital perto do campus da CHERUB, para grande alívio de Lauren e Kerry.
A sua irmã Lauren é enviada na primeira missão a solo, travando amizade com uma rapariga russa chamada Anna, vítima de uma terrível operação de tráfico humano. Depois do desastre na Rússia, James é suspenso de todas as missões e, após uma conversa com um dos professores, suspeita que Ewart, o chefe de missão, o traiu, e pede a Dana, uma outra agente da CHERUB, que o ajude a investigar os ficheiros de Ewart em busca de pistas.

O Elemento – Ken Robinson (Porto Editora)
Por vezes, esquecemos as extraordinárias capacidades de imaginação e criatividade com que nascemos. Quando isso acontece, é hora de redescobrir o nosso Elemento: o lugar onde fazemos aquilo que queremos fazer e onde somos aqueles que sempre quisemos ser.
Este livro recolhe as histórias de pessoas que encontraram o seu Elemento, e com ele a realização pessoal. As suas experiências dão-nos a chave para que também nós possamos descobrir o nosso. Saiba em que momento Meg Ryan, Paul McCartney, Ridley Scott, Matt Groening, Vidal Sassoon mudaram os rumos das suas vidas, para entrarem no seu Elemento.
Estará a desenvolver todos os seus talentos? Encontre a sua vocação e sinta-se realizado.

The Danish Girl – David Ebershoff (Porto Editora)
Inspirado na história verídica do pintor alemão Einar Wegener e da sua mulher californiana, Greta, também pintora, este afectuoso retrato de um casamento coloca-nos perante a inquietante questão: o que podemos fazer quando alguém que amamos quer mudar?
Tudo começa com uma simples pergunta, um favor que Einar faz à esposa numa tarde de vento gélido enquanto os dois pintam no estúdio. Greta tenta finalizar um retrato de uma cantora de ópera que falta à última sessão combinada; impaciente e determinada a concluir o quadro, pede a Einar que substitua a modelo, vestindo o seu vestido, collants e sapatos.
O que, aparentemente, começa como uma brincadeira acabará por evoluir para algo bem mais profundo, definitivo e ameaçador para a relação de ambos. Em oposição à decadência e ostentação dos anos 2 em Copenhaga, Dresden e Paris, este fascinante romance explora, de forma profunda e refinada, as barreiras do género, sexo, amor e casamento.

Crush it – Gary Vaynerchuk (Ideias de Ler)
Gary Vaynerchuck transformou o negócio de família, uma pequena loja de vinhos, numa empresa líder nos EUA. Como é que conseguiu? Um dia, consciente das potencialidades da Internet, criou um vídeo para promover a sua loja e colocou-o online. Este foi o primeiro passo de uma estratégia de marketing online que o tornou conhecido nos EUA e o levou a multiplicar a facturação do seu negócio.
Neste livro, Vaynerchuck explica como conseguiu ter sucesso, demonstra como usar de modo eficaz o poder da Internet, como navegar nas águas digitais do marketing para criar um negócio bem-sucedido e desenvolver uma marca a partir daquilo que mais gostamos de fazer.
Crush it! é um manual imprescindível para quem quer ser bem-sucedido no moderno mundo dos negócios; está recheado de dicas de empreendedorismo e conselhos de marketing online.

Matteo perdeu o emprego – Gonçalo M. Tavares (Porto Editora)
Do mais elogiado autor da nova geração de romancistas do nosso país. O próximo Nobel, não hesitou em afirmar José Saramago.
Um conjunto de pequenas histórias, originais e com um humor peculiar, que se entrecruzam pelas relações que se vão estabelecendo entre as várias personagens.
Cada personagem antecede outra, seguindo uma ordem alfabética, necessária para o irreverente destino da história.
Contém ainda um arrojado posfácio, que serve de comentário a mais uma narrativa genial do autor.

Na Sombra do Pai – Richard Russo (Porto Editora)
Após o desembarque na Normandia, Sam regressa a casa onde o esperam Jenny e Ned, o seu filho ainda pequeno. No entanto, depois da guerra, a família não mais é uma prioridade na sua vida. Entregue a uma vida dissoluta, o casamento rapidamente se desmorona e Sam abandona Mohawk.
Durante muitos anos, Ned dirá aos seus amigos que o pai morreu. Mas um dia, o imprevisível Sam apresenta-se na escola do filho para passar com ele um fim-de-semana. Perante o regresso inesperado, Jenny descontrola-se e Sam decide desaparecer de novo. Ned regressará à sua aparente normalidade até que esta será novamente interrompida por uma fugaz aventura amorosa da mãe com um padre. Vencida pela culpa, Jenny ficará presa a uma cama, doente. Ned, agora com doze anos – a idade da iniciação – terá de viver com o pai e ver-se-á catapultado para um mundo de bares e salas de bilhar, de negócios sombrios e jogos de risco.

O Fogo de Istambul – Jason Goodwin (Porto Editora)
Istambul, 1836. Poucos dias antes de o sultão Mahmud II proclamar um édito reformista, uma sucessão macabra de assassinatos de oficiais da Nova Guarda ameaça romper o frágil equilíbrio do poder na Corte. Quem estará por detrás destas mortes? Todos os indícios apontam para os Janízaros: durante quatrocentos anos constituíram o corpo de soldados de elite do Império Otomano, mas tornaram-se de tal forma poderosos que o sultão decidiu extingui-los. Estarão a planear o seu regresso brutal?
Perante os acontecimentos, o sultão incumbe Yashim Togalu de descobrir o assassino no prazo de dez dias. A condição particular de Yashim torna-o no perfeito agente infiltrado: insólito investigador, brilhante, amante de culinária e de romances franceses, possui a extraordinária capacidade de passar despercebido e ter acesso a todas as zonas do palácio, incluindo o harém do sultão. Yashim é um eunuco.
Na busca da verdade, seguiremos Yashim pelos mercados e ruelas de Istambul até aos corredores do palácio, numa corrida contra o tempo, antes que a conspiração ganhe mais força e o império desabe.
Entre o romance histórico e a ficção detectivesca, Jason Goodwin cria uma atmosfera de sensualidade e decadência onde se resgatam vidas perigosas, paixões políticas e pessoais, num livro que dá início a uma trilogia carregada de fascínio.

Uma Longa Viagem com Manuel Alegre – João Céu e Silva (Porto Editora)
Uma Longa Viagem com Manuel Alegre é o quinto volume de uma série que pretende, através de uma longa entrevista, fazer o retrato biográfico de alguns portugueses ilustres. Desta feita, o convidado de João Céu e Silva foi o poeta e político Manuel Alegre.
Foram já publicados Uma Longa Viagem com Álvaro Cunhal (Edições ASA, 2005), Uma Longa Viagem com Miguel Torga (Edições ASA, 2007), Uma Longa Viagem com José Saramago (Porto Editora, 2009) e Uma Longa Viagem com António Lobo Antunes (Porto Editora, 2009).

O Fogo – Katherine Neville (Porto Editora)
O tabuleiro de xadrez de Montglane: um artefacto antigo que contém um poder inimaginável. Um vez reunidas todas as peças e o jogo iniciado, forças místicas convergem podendo ameaçar o futuro do mundo.
1822, Albânia: Trinta anos após a Revolução Francesa, paira sobre a Europa a sombra da guerra da independência grega. Sob ataque, Ali Paxá, o mais poderoso governante do Império Otomano, confia à sua filha Haidee a perigosa missão de desviar uma peça crucial do tabuleiro de xadrez para fora do país. Perseguida por inimigos, Haidee foge por Marrocos, Roma e Grécia em direcção ao âmago do Jogo e, finalmente, ao local onde o tabuleiro fora criado havia mais de mil anos: Bagdade.
2003, Colorado: Alexandra Solarin é chamada ao local onde a mãe se encontra escondida. Trinta anos antes, os seus pais tinham sido determinantes na disseminação das peças do tabuleiro de xadrez por todo o mundo, enterrando com elas os segredos do seu poder. Mas quando Alexandra chega às Montanhas Rochosas constata que a mãe desapareceu tendo-lhe deixado, no entanto, um conjunto de pistas estrategicamente identificáveis sobre o seu paradeiro. O Jogo começou novamente!

Uma questão de consciência – Ian Rankin (Porto Editora)
Onde se situa a ténue linha que separa o Bem do Mal? O que significa ser-se bom? O inspector Malcolm Fox, do Departamento de Conduta (também conhecido por “Lado Negro”) da Polícia de Leigh, questiona-se sempre que detém um polícia corrupto. Depois de mais um trabalho cumprido, uma nova missão aguarda-o: um polícia, Jamie Breck, é suspeito de estar envolvido numa rede de pedofilia, mas faltam provas para corroborar o caso. Fox é destacado para se aproximar de Breck, forjando uma amizade com intenção de obter as provas necessárias.
Fox e Bret são pessoas de carácter muito díspar. Jamie Breck é um homem assertivo, certo de que consegue controlar tudo na sua vida. Fox sente-se à mercê de forças que estão muito para além do seu domínio; paga uma elevada mensalidade para ter o pai numa casa de repouso e a sua única irmã recusa-se a abandonar um homem que a maltrata apenas porque o ama. À medida que Bret e Fox se conhecem, a suspeita inicial de Fox dará lugar a respeito e amizade. Poderá aquele homem ser mesmo um pedófilo, e se não, porquê tanta vigilância? Terá aquela amizade sido planeada?
Mas então, por quem e por que razão? O mistério adensa-se com o brutal e sádico homicídio de Vince, o companheiro da irmã de Fox, deixando-o incapaz de se manter distante, sobretudo quando ela é detida sob suspeita. Até onde é que este homicídio não fará parte de uma conspiração contra Malcolm Fox?

Pagadores de crises – José Goulão (Sextante)
Entre o Chile de Pinochet e a França de Sarkozy, a Inglaterra de Thatcher e a Alemanha de Merkel, a América de Reagan e a Europa de Barroso há diferenças, mas também semelhanças. Que sentimos na pele, nós, os pagadores de crises. Viajamos aqui pela história política e social do mundo nas últimas quatro décadas. Em muitos aspectos de cidadania o mundo regrediu aos tempos da II Guerra Mundial. E «a crise» é a versão consolidada do sistema neoliberal.

Mercado de ilusões – Felipe Benítez Reyes (Sextante)
Corina e Jacob sempre viveram da organização de roubos de obras de arte. Depois de decidirem retirar-se da profissão por causa da idade e da falta de oferta, recebem um encargo imprevisto de um mexicano libertino e com tendências místicas, que sonha com construir um prisma para contemplar o rosto de Deus. O trabalho consiste em roubar as supostas relíquias dos Reis Magos, conservadas na Catedral de Colónia.
Através de uma prosa envolvente e de uma inventividade deslumbrante, o autor conduz-nos até um território de fascinações e aparências, povoado por personagens insólitas e ritmado por situações inesperadas.

A assombrosa viagem de Pompónio Flato – Eduardo Mendoza (Sextante)
No século I da nossa era, Pompónio Flato viaja pelos confins do Império Romano em busca de águas com efeitos prodigiosos. O acaso e a precariedade da sua sorte levam-no a Nazaré, onde vai ser executado o carpinteiro da aldeia, acusado do assassinato brutal de um rico cidadão. Contra a sua vontade, Pompónio vê-se imerso na investigação do crime, contratado por um extraordinário cliente: o filho do carpinteiro, criança cândida e singular, convencida da inocência do pai. Cruzando os géneros histórico, policial, hagiográfico e a paródia de todos eles, eis a obra mais insólita e surpreendente de Eduardo Mendoza, e também uma das mais ferozmente divertidas.

NOVEMBRO

The mountain between us – Charles Martin (Porto Editora)
Um médico cirurgião e uma atraente e simpática jornalista conhecem-se durante uma longa espera num aeroporto, durante uma noite de tempestade.
Ben está de regresso a casa depois de participar numa conferência médica e Ashley está a caminho dos últimos ensaios para o seu casamento. Quando o voo é cancelado, Ben encontra forma de alugar um voo charter que os leve para casa. E eis que o impensável acontece. O piloto tem um ataque cardíaco e o avião cai num zona deserta e gelada no meio de nada.
Ben, com as costelas partidas e Ashley, com uma grave lesão numa perna, travam uma terrível luta pela sobrevivência. Por ser médico e praticante de alpinismo, Ben trata de Ashley e consegue que os dois escapem a salvo desta aventura que quase lhes custa a vida. Pelo meio, Ashley percebe que Ben esconde pesadas feridas emocionais e trava uma constante luta com a mulher que o acusa de ser emocionalmente distante. Por seu lado, Ashley questiona os seus sentimentos pelo noivo e percebe que, dia após dia, se sente cada vez mais atraída por Ben.
À medida que os dias se tornam semanas, a sobrevivência vai-se tornando cada vez mais complicada; será que conseguem sobreviver? E se conseguirem, até que ponto esta experiência mudará as suas vidas?

Excuses Begone – Dr. Wayne Dyer (Albatroz)
O reconhecido guru, Wayne Dyer, revela neste livro como alterar os velhos hábitos mentais que nos impedem de alcançar os graus de felicidade, sucesso e prosperidade desejados.
Através da aplicação dos princípios inerentes ao paradigma Chega de Desculpas!, podemos abolir de vez problemas de peso e de dependência que nos afligem desde sempre.
Com a ajuda de Wayne Dyer, liberte-se de pensamentos enraizados como: “sou demasiado novo ou velho para isto”, “ando demasiado cansado e ocupado”, “não consigo obter as coisas que realmente quero”, “será muito difícil para mim mudar nesta fase” ou “eu sempre fui assim”.
Aprenderá a aplicar questões específicas a todas as desculpas que o assombram e a percorrer os passos em direcção a pensamentos novos e positivos. Com esta mudança, verá que alcançar a vida dos seus sonhos é uma missão que pode cumprir.

Novembro – Vítor Burity da Silva (Porto Editora)
Um testemunho sentido sobre alguns dos acontecimentos mais marcantes do pós-independência de Angola, através das vidas de Valter e Maria José, crianças por altura do início da guerra civil angolana, que se perdem no meio da desesperada fuga à guerra civil para se reencontrarem anos mais tarde, em Luanda.
A guerra termina e o país começa a crescer, para trás muitos anos de luta e a independência é recordada, honrando os que morreram. E hoje, 35 anos depois, este Novembro em honra de uma pátria para todos os angolanos.

A Profecia de Istambul – Alberto S. Santos (Porto Editora)
Quem detiver a Lança do Destino alcança o poder sobre a Humanidade, para o Bem e o Mal. Por isso, os mais poderosos de todos os tempos a perseguiram. E agora onde se encontra a relíquia sagrada? Estará nas mãos erradas?
No período áureo de Istambul, e com as fogueiras do Santo Ofício a ameaçarem tudo e todos, chega-nos um enredo de suspense e descoberta da poderosa relíquia sagrada que pode derrubar o mundo.
O novo romance histórico do autor do sucesso A Escrava de Córdova.

Contos Pouco Políticos – vários autores (Porto Editora)
Quinze figuras conhecidas da vida política nacional aceitaram participar nesta obra original. Colaboram neste livro: Ana Gomes, Ângelo Correia, Carmona Rodrigues, Edite Estrela, Ferro Rodrigues, Jerónimo de Sousa, Joana Amaral Dias, João Soares, José Ribeiro e Castro, Maria de Belém Roseira, Marta Rebelo, Nuno Morais Sarmento, Odete Santos, Paula Teixeira da Cruz e Vitalino Canas.

Histórias Daqui e Dali – Luis Sepúlveda (Porto Editora)
«Tá, diz-se em uruguaio quando se procura afirmar com ênfase, e Tá respondeu Mario Benedetti quando a decência perguntou se havia que arriscar pelos pobres, pelos fracos, pelos condenados da terra, pelos que não tinham direito à alegria, pelos que sonhavam com uma existência justa, por uma palavra “amanhã” plena de sentido.»
Esta frase, que dá início a uma das histórias que Luis Sepúlveda recolhe neste livro, resume perfeitamente tanto o espírito que guia a vida do autor chileno, como as suas palavras. Palavras seguras, potentes mas sussurrantes, que sempre nos interrogam sobre o estado do mundo e das suas gentes. Foi essa interrogação constante que consagrou Luis Sepúlveda como um dos mais originais escritores de língua castelhana.
Nestas 25 histórias somos transladados para diversos cenários, distintas situações, países daqui e dali, mas as palavras do autor remetem-nos sempre para um mesmo território literário: o território dos derrotados que se negam a aceitar a derrota. Um território bem conhecido dos leitores de Luis Sepúlveda que, neste livro, se reencontrarão com algumas das melhores passagens da sua extensa obra literária.

Gente do Sul – Pat Conroy (Porto Editora)
Tendo como pano de fundo o cenário sumptuoso de Charleston, na Carolina do Sul, Gente do Sul reúne um incomparável elenco de santos e pecadores. Leopold Bloom King, o narrador, é filho de um homem afável e pai dedicado, professor de Ciências no liceu local. A sua mãe, ex-freira, é a actual directora do liceu e uma respeitada estudiosa da obra de James Joyce.
Depois do suicídio do filho mais velho, com apenas dez anos de idade, a família debate-se com as consequências devastadoras causadas pela sua morte e Leo, o irmão, profundamente abalado, procura algo que lhe dê conforto. Depois de alguns anos em que perdeu o rumo da vida, Leo irá finalmente encontrar o seu caminho quando forma um grupo de amigos muito unido de finalistas do liceu que incluem Sheba e Trevor Poe, gémeos talentosos com uma mãe alcoólica e um pai evadido da prisão; os órfãos Niles and Starla Whitehead; a socialite Molly Huger e o seu namorado, Chadworth Rutledge X – e um sempre extenso círculo cujas ligações se agitarão por duas décadas, desde a contra-cultura dos anos 60 até ao surgimento da sida nos anos 80.
Os laços entre eles irão perdurar por muitos anos, sobrevivendo a casamentos felizes e conturbados, amores não correspondidos, sucessos obtidos com muito esforço e fracassos inesperados, bem como ao legado sombrio de racismo e estratificação de classes existente em Charleston. Mas a derradeira prova a esta amizade conduzi-los-á até São Francisco, para enfrentarem uma realidade para a qual nenhum deles está preparado.

A filha do coveiro – Joyce Carol Oates (Sextante)
Em 1936, os Schwarts, família imigrada, escapa da Alemanha nazi e instala-se numa pequena cidade do Estado de Nova Iorque. O pai, antigo professor de liceu, vê-se obrigado a aceitar o único trabalho disponível: coveiro e encarregado de um cemitério. Os prejuízos e a fragilidade emocional da família conduzirão a uma terrível tragédia e Rebecca, a filha do coveiro, começa então a sua surpreendente peregrinação pela América, uma odisseia arriscada repleta de erotismo e audácia, inventividade e engenho; no final, um triunfo agridoce, muito «americano». Uma obra-prima simultaneamente emocionante e intelectualmente provocadora.

Roma – António Mega Ferreira (Sextante)
«Cada viajante constrói, das cidades que ama, uma ideia que raramente coincide com a lógica da geografia urbana. Na sua forma de amar uma cidade, desenha percursos, associações imaginárias, mitos instrumentais que o fazem ver fachadas, os monumentos, as praças e as gentes de uma determinada zona como os melhores sinais identificadores do espírito do lugar.»
Este livro podia, à primeira vista, ser confundido com mais um guia de viagem sobre uma cidade. Não deixa de o ser, mas é bem mais do que isso. Roma leva-nos numa viagem, transportando-nos para histórias e lendas que mitificam esta cidade, e dá-nos a conhecer os seus ex-libris de uma forma íntima e apaixonante, pela voz de António Mega Ferreira, que diz amar esta cidade acima das outras, porque Lisboa não está a concurso.

Sem comentários: