15 de dezembro de 2012

Oryx and Crake - Opinião

Título: Oryx and Crake
Autor: Margaret Atwood
Lido no Kobo
Sinopse (do Goodreads)
:
"The narrator of Atwood's riveting novel calls himself Snowman. When the story opens, he is sleeping in a tree, wearing an old bedsheet, mourning the loss of his beloved Oryx and his best friend Crake, and slowly starving to death. He searches for supplies in a wasteland where insects proliferate and pigoons and wolvogs ravage the pleeblands, where ordinary people once lived, and the Compounds that sheltered the extraordinary. As he tries to piece together what has taken place, the narrative shifts to decades earlier. How did everything fall apart so quickly? Why is he left with nothing but his haunting memories? Alone except for the green-eyed Children of Crake, who think of him as a kind of monster, he explores the answers to these questions in the double journey he takes - into his own past, and back to Crake's high-tech bubble-dome, where the Paradice Project unfolded and the world came to grief.

With breathtaking command of her shocking material, and with her customary sharp wit and dark humour, Atwood projects us into an outlandish yet wholly believable realm populated by characters who will continue to inhabit our dreams long after the last chapter. This is Margaret Atwood at the absolute peak of her powers."


Opinião:

Quando me propus a ler este livro para a Temporada Pós-Apocalíptica, não tinha nenhuma expectativa. Nunca tinha lido nada da Margaret Atwood, não fazia ideia do que esperar da narrativa e, por isso, até olhava o livro de esguelha como quem diz "será que devo ler este livro?" Mas em bem hora o fiz, porque este livro é fantástico. Mas vamos por partes.

A sinopse descrita acima, resume bem aquilo que o livro é. Snowman é o narrador desta história e só através dele é que podemos saber que catástrofe fez com que o mundo se tornasse uma terra devastada. O tempo da narrativa é o futuro: Snowman encontra-se numa terra sem vida, provavelmente como sendo o único ser humano vivo na terra, para além das "Crianças de Crake", e através das suas memórias o leitor vai sabendo mais sobre ele, sobre Oryx, Crake, sobre o que aconteceu no passado, mas também o próprio Snowman vai dando um sentido, na sua cabeça, a tudo aquilo que o rodeia. 

É uma viagem muito interessante e, em relação a alguns aspectos, bastante assustadora. Viajamos por entre um mundo onde as experiências genéticas são algo comum, onde a comunidade científica vive à parte do restantes mortais, num ambiente protegido, tecnologicamente avançado e livre de doenças, onde os grandes cérebros são protegidos e estimulados, trabalhando para, supostamente, um mundo melhor. Tudo aquilo que está fora desses complexos habitacionais protegidos é considerado perigoso, violento, anárquico, como sendo um poço de doenças e algo a evitar a todo o custo.

O que mais me impressionou foram os relatos das experiências científicas com animais. Os "pigoons", por exemplo, são porcos alterados geneticamente, através de células estaminais humanas, com o propósito de os seus órgãos serem transplantados em humanos, com riscos diminutos de rejeição e de infecções pós-operatórias. Outros exemplos incluem cruzamentos entre duas espécies diferentes de animais, coelhos que brilham no escuro e lobos ferozes com aspectos de cães. Mais tarde, também ocorrem experiências em pessoas, mas não vou falar delas, para não "spoilar" ninguém.

Ao longo da narrativa conhecemos também Oryx e Crake que, não sendo as personagens principais, são as que dão nome ao livro. No futuro, onde vive Snowman, parece haver toda uma mitologia em relação a Oryx e a Crake como os criadores das coisas no estado actual. E, no fundo, foram-no. Crake, principalmente, fez-me reflectir sobre a linha ténue que separa o génio do louco e no quanto almejamos a ser perfeitos, a querermos que tudo seja ideal: sem guerras, sem doenças, sem tiranias, sem classes sociais, sem sofrimentos. E como essa procura pela perfeição pode atingir contornos bastante perigosos.

Este livro foi, talvez, o que mais me surpreendeu este ano, pela positiva. A escrita é algo densa, não no sentido de que seja complicado perceber a história, mas porque tem muitos pormenores descritivos daquele estilo de vida, e por causa da terminologia própria ligada às experiências científicas e também de algumas coisas próprias daquele tempo e espaço. Mas lê-se muito bem. A escrita de Atwood é fluída, prende o leitor, é inteligente e com umas pitadas de humor negro aqui e ali.

Só posso dizer que adorei este livro, e que foi um dos melhores que li este ano. Talvez estes livros sejam os que nos dão mais prazer ler: aqueles sobre os quais não temos qualquer expectativa e depois conseguem surpreender-nos com a sua qualidade.

6/6 - Excelente


Sem comentários: