1 de julho de 2013

The Murder of Roger Ackroyd - Opinião

Título: The Murder of Roger Ackroyd
Autor: Agatha Christie
Lido no Kobo
Sinopse:
"Village rumor hints that Mrs. Ferrars poisoned her husband, but no one is sure. Then there's another victim in a chain of death. Unfortunately for the killer, master sleuth Hercule Poirot takes over the investigation."

Opinião:

Depois de uma crise de leituras que durou mais ou menos três semanas (sim, três semanas!), lá consegui encarreirar e, por sugestão no twitter, deitei mãos a este livro da Agatha Christie. Uma verdadeira estreia nesta autora, uma vez que nunca tinha lido nada dela. E que bela surpresa. E porque é que eu nunca tinha lido nada desta mulher?!

A base deste livro são dois mistérios: o primeiro é descobrir quem andava a fazer chantagem com a senhora Ferrars que, aparentemente, levou ao seu suicídio; o segundo é descobrir quem matou Roger Ackroyd. Ambos os mistérios estão ligados e, descobrindo um, o outro fica também solucionado. Quem nos conta toda a história é o doutor Sheppard, amigo de Roger Ackroyd e de Ralph Paton, filho adoptivo de Ackroyd e principal suspeito do assassinato. Sheppard tem uma irmã que é um fartote. Caroline, sem sair de casa, sabe de tudo o que se passa com a sua vizinhança e parece saber ainda mais que o próprio irmão no que toca a este crime e à vida da senhora Ferrars. As suas observações são pertinentes e é muito engraçado ver a interacção entre estes dois irmãos, porque ela tem um espírito detectivesco e quer sempre meter o bedelho. Sheppard torna-se, entretanto, ajudante de Poirot quando este é chamado a ajudar na solução do mistério.

Para quem nunca tinha lido nada da Agatha Christie, estava bastante curiosa para conhecer Poirot. Adorei este homem! O seu jeito peculiar, a sua perspicácia, inteligência e, até, um certo mistério, tornam-no numa personagem carismática e muito interessante. É engraçado ver o seu modo de acção e de raciocínio para solucionar aquele crime, e de como ele se move para obter o que quer, sem que as outras pessoas percebam isso. Poirot é brilhante!

É claro que à medida que a história avança há vários suspeitos, todos eles com motivos mais que suficientes para terem morto o Roger Ackroyd. Podemos até suspeitar de um ou outro até ao final do livro. Mas só mesmo no final, e quando digo final refiro-me mesmo até às últimas 10 páginas, mais ou menos, é que ficamos a saber quem é o verdadeiro culpado. E, meus amigos, nunca na vida eu suspeitaria daquela pessoa! Fiquei pasmada, de boca aberta a olhar para o Kobo, chocada com aquilo que Agatha Christie apresenta neste livro. É um final surpreendente, completamente inesperado mas brilhante. 

Este livro foi uma completa surpresa e adorei-o. Acho que não podia ter escolhido melhor livro para acabar com a minha crise de leituras e agradeço a quem mo recomendou.

6/6 - Excelente

5 comentários:

WhiteLady3 disse...

O que eu adoro este livro e esta autora. Eu já era fã dela mas este é sem dúvida O MELHOR livro dela que li até hoje (não que tenha lido muitos, mas já li bastantes) exactamente porque JAMAIS NA MINHA VIDA (ou pelo menos durante a leitura :P), suspeitaria de tal pessoa! Só a Agatha para nos fazer duvidar e exercitar as nossas células cinzentas. :P

Diana Marques disse...

O Poirot bem nos dizia "não estás a usar as células cinzentas..." Que é como se fosse a tia Agatha a dizer "vocês não estão a ver bem a coisa" :P

Neptuno_avista disse...

Realmente este livro da Agatha Christie é único. Foi dos primeiros que li e lá está, também nunca na vida iria desconfiar daquela personagem! Foi brilhante! :D
Beijinho

Carolina disse...

Também adorei este livro! É dos mais bem conseguidos da autora! Recomendo "Um Crime no Expresso do Oriente" e "As Dez Figuras Negras"!! São divinais! *-*

Diana Marques disse...

Olá Carolina! Já tratei de comprar esses dois também, que me foram aconselhados e saíram em conjunto com um jornal ;)