31 de dezembro de 2018

Balanço de 2018 e Planos para 2019


Mais um ano que acaba, outro que está prestes a começar e, por isso, mais um post da praxe sobre balanços do ano que finda e planos para o ano que irá começar. 

Este ano foi um ano cheio de mudanças, aprendizagens e coisas novas para mim. Saí de casa dos meus pais, estou a viver sozinha, a trabalhar e a fazer o doutoramento. Tudo isto acaba por resultar em falta de disponibilidade mental e falta de tempo para ler por lazer, o que se traduz em poucos livros lidos, à semelhança do ano passado. Noto que ando mais cansada e quando tenho algum tempo livre acabo por dedicá-lo a ver séries ou filmes, porque não me consigo concentrar num livro. Também pensei que o facto de ir viver sozinha me ia permitir ter mais tempo para estar a ler descansada, sem que ninguém me perturbasse. Estava errada! Ainda me faz confusão ter a casa silenciosa durante o dia enquanto estou a ler. Mesmo quando estou a trabalhar no doutoramento, tenho de ter a televisão acesa para ir dando uma espreitadela - acaba por ser uma companhia. Por isso, quando leio, acabo por ler nos transportes (viagem casa-trabalho-casa) ou à noite antes de me deitar - o que também não tem funcionado muito bem porque vou cansada, leio duas páginas e apago. Também tento não me martirizar por isso, porque não vale a pena, uma vez que a leitura deve ser feita por gosto. Se não estivermos para aí virados, tudo bem! Tudo a seu tempo. Ainda assim, consegui ler e fui acrescentando mais livros à minha wishlist e até comprei um Kobo novo! O meu já estava velhote, acabei por dá-lo à minha irmã que vai lendo lá também e comprei um novo para mim, um Kobo Clara.

No que toca a leituras, li no total cinco livros: A Monster Calls, de Patrick Ness; Os Números que Venceram os Nomes, de Samuel Pimenta; We Have Always Lived in the Castle, de Shirley Jackson; Dark Matter, de Blake Crouch; e The Ministry of Utmost Happiness, de Arundhati Roy. Foram leituras diversificadas, em géneros diferentes e nesse aspecto considero que foi um bom ano. É claro que gostava de ter lido mais livros, mas o que importa cada vez mais é lermos livros de que gostamos e que nos preenchem. Este ano tenho duas leituras a destacar, que foram as minhas favoritas: We Have Always Lived in the Castle e Dark Matter - gostei muito destes dois livros. Senti falta de ler Brandon Sanderson, estava com vontade de comprar o Oathbringer para ler no verão, mas as leituras também foram escassas nas férias e achei que não ia resultar (e vai daí, se calhar não resultaram porque este ano não houve Sanderson!). Mas tenho muita vontade de voltar àquele mundo e às suas personagens e tenho a certeza que em 2019 irei lê-lo - nem que demore 6 meses a fazê-lo!

Em 2019 espero conseguir continuar a ler por prazer, mas sei que as coisas poderão ficar mais complicadas, uma vez que vou entrar na fase final (espero eu!) da escrita da tese. Por isso, as leituras vão estar a competir directamente com o facto de eu querer aproveitar todo o meu tempo livre para acabar a tese, para ver se me livro disto. Ainda assim, espero ler bons livros - livros que me preencham e satisfaçam. Quero voltar a ler Sanderson, quero reler os livros do Martin (já queria este ano, mas a coisa deu para o torto, pode ser que em 2019 consiga), quero voltar a perder-me em calhamaços, quero ler autores novos e autores favoritos. Espero também conseguir manter o blog actualizado porque é algo que gosto de fazer, apesar de não ter tido tempo para tal. Ainda que não queira fazer grandes planos em relação às minhas leituras, aqui ficam alguns livros que gostava MESMO de ler no próximo ano:


Posto isto, espero que o próximo ano vos traga tudo de bom para as vossas vidas, leituras prazerosas, bons momentos passados com a família e com amigos, saúde, boa disposição e felicidade!

Vemo-nos em 2019!


Diana

2 comentários:

Carla Barroso disse...

Sim, não te martirizes por leres muito ou pouco. O que leste trouxe-te coisas boas? Aproveitas-te o tempo em que não estiveste a ler em coisas que te preencheram? Ainda bem! É isso que importa.
Este ano também quero ler calhamaços! Estou a começar com os da Diana Gabaldon. Tinha tantas saudades! E talvez me aventure em Brandon Sanderson. Este ano a fantasia foi importante para mim, e decidi que gostava de acabar uma ou duas séries de que só li o primeiro livro e gostei. Mistborn é uma delas, muito por culpa tua! :P

Diana Marques disse...

Sim, não me martirizo. Só penso que gostava de ter lido mais, mas às vezes não dá para tudo!
Também já pensei voltar para a Gabaldon, até porque não acompanhei a série para além da primeira temporada, por isso continuo sem saber o que vai acontecer. E Sanderson!!! :D Já viciei a minha mãe também, leu Mistborn, adorou e está desejosa que publiquem mais traduções dos livros dele. Eu quero mesmo ler o Oathbringer, sinto falta daquele mundo e daquelas personagens. É tão bom!